Basófilos

Pós-Doutorado Ciências Biológicas (UNESP, 2013)
Doutorado em Ciências Biológicas (UNESP, 2009)
Graduação em Ciências Biológicas (UNESP, 2005)

Os basófilos são células sanguíneas produzidas na medula óssea e têm meia vida no sangue estimada entre 1 e 2 dias. Em condições normais, os basófilos são bastante numerosos no sangue circulante de anfíbios, répteis e aves, enquanto que no homem correspondem a no máximo 2% dos leucócitos circulantes, sendo, por isso, difícil encontrá-los em lâminas de esfregaço. O aumento da população dessas células no sangue circulante, a basofilia, está diretamente relacionado com a defesa do organismo, os basófilos circulantes aumentam em cerca de duas vezes em indivíduos alérgicos ou em patologias mieloproliferativas como a leucemia granulocítica crônica.

Este tipo celular, quando analisado ao microscópio óptico apresenta um núcleo volumoso, segmentado com forma irregular e recoberto por grânulos grosseiros, enquanto que em análises realizadas com microscopia eletrônica de transmissão, o núcleo apresenta cromatina com aspecto denso e irregular.

O citoplasma dos basófilos é rico em grânulos citoplasmáticos maiores do que os encontrados em outros tipos de granulócitos, os quais muitas vezes dificultam a observação do núcleo celular. Ao microscópio eletrônico, estes grânulos apresentam-se muito elétron-densos e frequentemente têm em seu interior filamentos ou partículas alongadas. Os grânulos encontrados nos basófilos possuem entre 0,15-05μm de diâmetro e apresentam metacromasia quando corados pelo azul de toluidina. Eles contêm histamina, fatores quimiotáticos para eosinófilos e neutrófilos e heparina. A membrana plasmática dos basófilos apresenta receptores para a imunoglobulina E (IgE).

No homem os basófilos são comumente encontrados na pele ou nas mucosas em patologias que envolvem hipersensibilidade imediata, como dermatites alérgicas por contato, rinites alérgicas, eles também estão associados a alguns casos de hipersensibilidade tardia e têm sido encontrados em infiltrados inflamatórios, nefrites e casos de rejeição de transplante renal.

Referências bibliográficas:
Histologia básica I L.C.Junqueira e José Carneiro. - [12 . ed]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Hernadez F Carvalho, Carla Beatriz Collares Buzato. Células: Uma abordagem multidisciplinar. Editora Manole, 2005

Abraham L. Kierszenbaum. Histologia e Biologia celular, Uma introdução à patologia. 3ª edição. Elsevier, 2012

Arquivado em: Citologia