Mastócito

Os mastócitos são células de vida longa originados da linhagem hematopoética que, após a sua maturação, ainda mantêm sua capacidade proliferativa. Por serem intimamente ligados na ativação da resposta imune de linfócitos T, os mastócitos têm grande importância na defesa contra helmintos e bactérias.

Os mastócitos são encontrados no tecido conjuntivo e foram inicialmente descritos por Paul Ehrlich no final do século XIX. A sua quantidade está diretamente relacionada com as funções biológicas que exercem em determina dos locais. São encontrados em abundância nos pulmões (4 mil/mm3), na pele (7 mil – 12 mil/mm3) e no trato gastrintestinal (20 mil/mm3) e de número reduzido no parênquima do fígado, rins e glândulas adrenais. Por se localizarem próximos ao exterior do corpo, este tipo celular geralmente é uma das primeiras células a entrar em contato com agentes patogênicos.

A forma dos mastócitos varia de acordo com o ambiente em que são encontrados, quando estão aderidos ao tecido conjuntivo eles apresentam-se na forma alongada, e quando estão isolados das cavidades, na forma arredondada. Assim como a forma, os mastócitos apresentam tamanhos variados de acordo com a sua localização, células encontradas na mucosa intestinal medem 5-10μm de diâmetro enquanto os mastócitos peritoneais podem medir entre 10 e 20μm. Seu citoplasma é repleto de grânulos que se coram de maneira metacromática quando são utilizados corantes básicos como o azul de toluidina. A metacromasia se dá quando um corante interage com elementos da célula dando uma coloração diferente da coloração esperada, no caso dos mastócitos a metacromasia de dá devido aos grupamentos sulfato da heparina encontrados nos grânulos deste tipo celular.

Quando são observados ao microscópio eletrônico de transmissão, os mastócitos apresentam uma grande quantidade de grânulos citoplasmáticos, poucas mitocôndrias, retículo endoplasmático e complexo de Golgi pouco desenvolvidos e núcleo central.

Por possuírem grânulos ricos em heparina (ação anticoagulante), histamina, condroitim, sulfatos e outros glicosaminiglicanos, os mastócitos são células intimamente ligadas em processos como a asma, alergia e inflamação.

A histamina tem função vasodilatadora e é um dos principais mediadores químicos envolvidos na resposta inflamatória anafilática e na resposta alérgica, sendo diretamente responsável está intimamente envolvida em processos como o aparecimento de edemas, vermelhidão e coceira. Ela é armazenada nos mastócitos e sua liberação ocorre diente de estimulação, como no caso da hipersensibilidade imediata e nas reações alérgicas pela interação do antígeno anticorpo na superfície dos mastócitos.

Bibliografia:

Histologia básica I L.C.Junqueira e José Carneiro. - [12 . ed]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Hernadez F Carvalho, Carla Beatriz Collares Buzato. Células: Uma abordagem multidisciplinar. Editora Manole, 2005

Abraham L. Kierszenbaum. Histologia e Biologia celular, Uma introdução à patologia. 3ª edição. Elsevier, 2012