Amoritas

Por Tiago Ferreira da Silva
Os amoritas eram povos semitas oriundos do deserto sírio-árabe que invadiram as cidades-Estado da Mesopotâmia por volta de 2000 a.C., após a queda da civilização suméria-arcadiana.

Eles ergueram a cidade da Babilônia, que seria o principal centro comercial mesopotâmico graças à estratégica localização – cerca de 75 quilômetros da atual capital iraquiana Bagdá. O primeiro império foi erguido por Amoreu Sumuabum, por volta de 1894 a.C., resultando em diversas disputas com remanescentes dos povos sumérios e arcadianos até a unificação realizada pelo Imperador Hamurabi, formando o Primeiro Império Babilônico.

Mapa dos domínios Amoritas

Hamurabi foi responsável por um grande avanço no setor agricultor ao construir canais de irrigação próximos aos rios, além de expandir o reino babilônico para além do Golfo Pérsico, agregando territórios da atual Turquia, do rio Khabur, na Síria e nos montes Zagros, mais ao leste.

Tais avanços imperiais exigiam um controle efetivo do Estado, que ficava responsável por fiscalizar todas as obras empreendidas pelo imperador. Com isso, o Estado ficou centralizado na mão da monarquia, que com o passar dos tempos mostraria caráter mais interventor e autoritário em suas decisões.

Foi de autoria de Hamurabi o primeiro código penal através das Leis de Talião (“olho por olho, dente por dente”), onde as punições aos criminosos variavam de acordo com seus delitos.

Apesar de tomar a cidade dos antigos povos sumérios e arcadianos, que desenvolveram suas próprias culturas, os amoritas adotaram a mesma escrita, arte, literatura e sistema de educação, apesar de manterem seu idioma de origem semita.

Na prática comercial, os mercadores eram subordinados ao Estado na venda de produtos artesanais, auxiliando a monarquia na cobrança de impostos dos contribuintes. De fato, as atividades privadas eram subsidiadas pelo Estado, que fornecia propriedades agrícolas aos funcionários públicos e arrendatários, fazendo com que o poder público controlasse o giro da economia.

Os antigos povos mesopotâmicos, que eram politeístas (ou seja, acreditavam em mais de um deus), presenciaram uma grande reforma religiosa a mando de Hamurabi. O deus Marduk seria elevado como principal divindade de toda a Mesopotâmia, recebendo uma importante reverência com a construção do zigurate de Babel, que seria citado no livro de Gênesis, na Bíblia, como a tentativa humana de chegar ao céu.

Com a morte da importante figura política de Hamurabi, o Império Babilônico cairia com as revoltas populares das cidades-Estado dominadas, as conspirações contra a sucessão imperial e as grandes cargas de trabalho delegadas pelo Estado aos camponeses. Isso daria margem para a invasão dos cassitas - povo indo-europeu que habitava no leste do rio Tigre - à Baixa Mesopotâmia, acabando com o domínio dos amoritas.

Fontes:
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de_aula/historia/grandes_civilizacoes/mesopotamia/civil_mesopotamica_babilonia1
http://pt.wikipedia.org/wiki/Amoritas