Ceratocisto odontogênico

O ceratocisto odontogênico consiste em um cisto benigno, porém com comportamento clínico agressivo, caracterizando-se pelo seu crescimento acelerado e tendência a invadir os tecidos adjacentes, incluindo os ossos.

Foi descrito primeiramente no ano de 1876; todavia foi nomeado por Phillipsen apenas no ano de 1956.

Alguns pesquisadores acreditam que o ceratocisto odontogênico seja resultante de restos celulares da lâmina dental, e seu surgimento parece estar associado a fatores não elucidados, ligados ao próprio epitélio ou à atividade enzimática na parede cística.

Este tumor pode ser observado em indivíduos de todas as idades; todavia, aproximadamente 60% dos casos são observados entre os 10 aos 40 anos de idade. Entre 60% a 80% dos casos, há o acometimento da mandíbula, sendo que este tipo de tumoração tende a crescer em sentido ântero-posterior, no interior do canal medular. Costumam não causar sintomas, porém, como apresentam grandes dimensões, habitualmente levam à assimetria facial. Mesmo em lesões extensas, o ceratocisto odontogênico pode ser assintomático, mas também pode estar presentes dor e edema.

O diagnóstico é feito por meio de exames de imagem e análise histológica. Dentre os primeiros estão radiografia e tomografia computadorizada. Esta última, por sua vez, é indispensável para o planejamento da cirurgia, pois apresenta a lesão com detalhes. No entanto, a tomografia é recomendada apenas para casos de lesões extensas.

A confirmação do diagnóstico é alcançada somente após a análise histológica. No corte histopatológico é possível observar epitélio estratificado pavimentoso queratinizado uniforme, com uma espessura que varia entre 6 a 8 camadas de células, apresentando camada basal bem delimitada com células colunares ou cuboides, cápsula fibrosa delgada e friável formada por mucopolissacarídeos.

O tratamento do ceratocisto odontogênico é igual ao tratamento de outros tipos de cistos, feito por meio da enucleação e curetagem, bem como a descompressão em casos de extensas lesões. Para prevenir o reaparecimento das lesões, são realizados procedimentos preventivos, como a cauterização química da cavidade óssea com solução de Carnoy após a retirada do cisto, marsupialização e crioterapia.

O ceratocisto odontogênico pode recidivar. Deste modo, é importante que o paciente faça um controle semestralmente ou anualmente. É estabelecido um período de cinco anos; contudo, existem casos de recidiva após 40 anos da remoção do primeiro cisto.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ceratocisto_odontog%C3%AAnico
http://www2.uefs.br:8081/sitientibus/pdf/34/caratocistos_odontogenico.pdf
http://www.hse.rj.saude.gov.br/profissional/revista/36c/oral36.asp
http://boasaude.uol.com.br/realce/showdoc.cfm?libdocid=15345&ReturnCatID=20035

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças, Odontologia