Cistite

Por Débora Carvalho Meldau
A cistite consiste em uma inflamação e/ou infecção da bexiga. Ocorre mais comumente em mulheres sexualmente ativas na faixa etária de 20 a 50 anos, mas pode afetar ambos os sexos. Ela ocorre, geralmente, quando o trato urinário (uretra e a bexiga), é colonizado por bactérias, tornando-se irritado e inflamado. As mulheres têm mais propensão de desenvolver esta afecção devido à sua uretra ser menor do que a do sexo masculino, facilitando a entrada da bactéria na bexiga; outro fator é a pequena distância entra a uretra e o ânus.

Existem diversos tipos de cistites, entre elas:

  • Cistite bacteriana: é a forma mais comum, causada por bactéria, que geralmente é coliforme, sendo transferida do intestino para a uretra, alcançando a bexiga posteriormente.
  • Cistite intersticial: este tipo é considera mais uma lesão na bexiga, levando a irritação constante, raramente envolve a presença de bactérias. Sua causa ainda não é conhecida, mas há uma hipótese de que ela seja autoimune, quando o próprio organismo ataca a bexiga.
  • Cistite eosinofílica: esta forma é muito rara e seu diagnóstico é feito através de biópsia. Há uma infiltração da parede da bexiga, por um grande número de eosinófilos. Sua causa também não PE conhecida, mas há relatos de que ela possa ser desencadeada em crianças devido à utilização de certos medicamentos.
  • Cistite por radiação: pode ocorrer em pacientes que estão utilizando a radioterapia no tratamento de câncer.
  • Cistite hemorrágica.

O ato sexual influencia na incidência da cistite bacteriana, pois a bactéria pode ser introduzida na bexiga através da uretra durante a penetração do pênis na vagina. Quando há a multiplicação bacteriana mais rapidamente do que sua eliminação junto à urina, ocorre a afecção em questão. Existem uns fatores de risco para cistite, como: obstrução da bexiga ou uretra, devido à estagnação da urina, introdução de instrumentos no trato urinário, diabetes, gravidez, nefropatia analgésica e nefropatia de refluxo. Pessoas idosas possuem um risco maior de desenvolver esta infecção, pois o esvaziamento da bexiga pode tornar-se incompleto devido à fatores relacionados com a idade. Outros fatores também como a baixa ingestão hídrica, incontinência fecal, redução da mobilidade podem aumentar o risco da ocorrência de cistite.

Os sintomas descritos pelos pacientes acometidos por essa afecção são: polaciúria (aumento da freqüência das micções), cistalgia (dor na bexiga), ardência e dificuldade para urinar, pressão na pélvis inferior, presença de sangue na urina e forte odor desta.

O diagnóstico é feito através do histórico do paciente e de seu quadro clínico. Para confirmação é feito um exame qualitativo da urina, para se ter noção da quantidade de leucócitos, hemácias e densidade. Entretanto, a urocultura com antibiograma é o exame mais importante, pois ele é o único que faz o diagnóstico entre uma cistite infecciosa e uma não infecciosa. Quando a infecção é diagnosticada, deve-se investigar sua causa, através de exames de imagem e cistoscopia que devem ser solicitados de acordo com o caso.

Para o tratamento dessa afecção recomenda-se o uso de antibióticos para controlar a infecção bacteriana, caso seja encontrada alguma causa, como por exemplo, um cálculo renal, este deve ser eliminado. Em pessoas idosas e com diabetes, é quase sempre recomendado o tratamento imediato, devido ao alto risco de complicações nesses pacientes.

Mesmo sendo tratada, a cistite pode gerar algumas complicações, como: infecções do trato urinário crônica ou recorrente, pielonefrite e insuficiência renal aguda crônica.

Para a prevenção, deve-se manter limpa a área genital, nunca limpando, após defecar, de trás para frente, trazendo para o trato genital coliformes presentes nas fezes; aumentar a ingestão hídrica; urinar imediatamente após o ato sexual, pois isso pode ajudar na eliminação de bactérias que, possivelmente, foram introduzidas no trato urinário durante o ato; urinar frequentemente, nunca segurando a urina na bexiga por muito tempo, pois isso pode favorecer a multiplicação bacteriana neste órgão.

Fontes:
http://www.copacabanarunners.net/cistite.html
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?80
http://www.marimar.com.br/boletins/cistite.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cistite

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.