Donovanose

Por Débora Carvalho Meldau
A donovanose, também conhecida como granuloma inguenal, é uma doença crônica progressiva, sexualmente transmissível, que acomete principalmente as mucosas das regiões genitais, perianais e inguinais, e tem como agente etiológico a bactéria Klebsiella granulomatis (anteriormente chamada de Donovani granulomatis e, posteriormente, Claymmatobacterium granulomatis).

Esta afecção caracteriza-se pela presença de úlceras genitais. Em regiões subdesenvolvidas ou em desenvolvimento, como Índia, Sudeste da Ásia, África do Sul, Caribe, Brasil e Papua Nova-Guiné, está presente endemicamente.

A doença foi descrita pela primeira vez em 1882, na cidade de Madra, Índia. No ano de 1905, um médico irlandês chamado Charles Donovan relatou a presença de microrganismos intracelulares em amostras de úlceras, sendo que a doença recebeu esse nome em sua homenagem.

Esta bactéria possuiu um período de incubação que varia de 3 dias a 6 meses, apresentando uma média de 7 a 30 dias do período de exposição até o surgimento das lesões. Estas últimas são semelhantes em ambos os sexos. Inicialmente observa-se uma lesão nodular localizada no subcutâneo que progride para ulceração com fundo granulomatoso, aspecto vermelho intenso, com borda plana ou hipertrófica, bem delimitada. Por conseguinte, pode tornar-se vegetante ou ulcero-vegetante; pode ser uma lesão isolada ou múltipla.

Raramente são encontradas lesões em regiões extragenitais, podendo ser secundárias às práticas sexuais ou auto-inoculação. Podem surgir lesões nas gengivas, axilas, parede abdominal, couro cabeludo e formas sistêmicas, com manifestações no esqueleto, articulações, fígado, baço, pulmões, entre outras.

O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais, por meio da observação da presença de corpúsculos de Donovan em esfregaço de amostras de lesões suspeitas ou cortes tissulares corados com Giemsa ou Wright. Deve ser realizado o diagnóstico diferencial com outras doenças que causam úlceras genitais.

O tratamento é feito com antibióticos, como a tetraciclina (500 mg por via oral, 4 vezes ao dia), doxiciclina (100 mg, por via oral, quatro vezes ao dia) ou eritromicina base (500 mg, por via oral, 4 vezes ao dia), por, pelo menos, 2 a 3 semanas, até que haja a regressão completa das lesões. É comum a recidiva da doença após o tratamento, sendo necessário sua realização a longo prazo. É necessário evitar qualquer tipo de relação sexual até o final do tratamento.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Donovanose
http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1751/donovanose.htm
http://www.consultormedico.com/consultar-doencas/granuloma-inguinal/donovanose-granuloma-inguinal.html
http://www.fmt.am.gov.br/areas/dst/donovanose.htm
http://library.thinkquest.org/26260/pg1.html

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.