Espasticidade

A espasticidade é definida como o aumento do tônus muscular, envolvendo hipertonia e hiperreflexia, durante a contração muscular, resultante de uma desordem neurológica.

São diversas as causas de espasticidade, sendo as mais frequentes: acidente vascular cerebral, traumatismo cranioencefálico, traumatismo raquimedular em adultos e paralisia cerebral em crianças.

Esta condição leva à incapacitação de seu portador, uma vez que dificulta o seu posicionamento confortável, afetando as atividades cotidianas, como locomoção, alimentação e cuidados de higiene. Quando a espasticidade não é tratada pode evoluir para rigidez, contraturas, luxações e deformidades.

O diagnóstico é essencialmente clínico. Durante o exame físico, o médico gradua o tônus muscular de acordo com a Escala de Ashworth Modificada, que vai de 0 a 4:

  • 0 quando não há aumento do tônus muscular;
  • 1 há um ligeiro aumento do tônus muscular, apresentando-se como uma tensão momentânea ou por resistência mínima, no fim da amplitude da movimentação articular, quando há um movimento em extensão ou flexão;
  • 1+ quando há um leve aumento do tônus muscular, que se manifesta por tensão repentina, acompanhada, em seguida, por resistência mínima em menos da metade da amplitude de movimento articular;
  • 2 marcado aumento do tônus muscular durante grande parte da amplitude de movimento articular, porém a mobilização passiva é realizada facilmente;
  • 3 é quando há considerável aumento do tônus muscular, porém a movimentação passiva é realizada com dificuldade;
  • 4 o segmento acometido apresenta-se rígido quando flexionado ou estendido.

O tratamento engloba diferentes terapias. A fisioterapia é auxilia no alívio dos sintomas, retarda a evolução do quadro, melhora a coordenação motora, Também pode ser utilizada estimulação elétrica funcional, que auxilia na melhora dos casos brandos e moderados. A terapia ocupacional também pode trazer muitos benefícios ao paciente. Fármacos podem ser utilizados no tratamento, como benzodiazepínicos e antiespasmódicos. Injeções de fenol também são úteis, pois são capazes de desmielinizar os neurônios sem afetar o tudo endoneural, levando à diminuição do tônus muscular. Quando os pacientes não respondem aos tratamentos anteriores, injeções de toxina botulínica podem ser feitas, objetivando bloquear a liberação de acetilcolina na terminação dos neurônios, resultando em paresia muscular.

Fontes:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pcdt_espasticidade_livro_2010.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Espasticidade
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282X1998000500025

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças