Lesão por Esforço Repetitivo

Por Ana Paula de Araújo
O corpo humano é uma máquina complexa, com diversas funções e muitas peças que se encaixam. Em toda máquina, quando se usa uma das peças excessivamente, há um desgaste desta, o que acabará por comprometer o funcionamento da máquina inteira.

De uma maneira bem prática, é isso que acontece com as pessoas quando se diz estão com LER. O significado da sigla, famosa nos dias de hoje, é Lesão por Esforço Repetitivo. Trata-se de um desgaste em determinada “peça” do corpo, envolvendo lesões musculares e desgaste nas articulações e nervos, causando dores e inflamações. A lesão é causada pela repetição de um mesmo movimento durante longo período de tempo. As profissões mais atacadas são as que é necessário e contínuo o uso do computador, mas outros profissionais também podem sofrer os mesmos danos dependendo de como se dá a sua atividade profissional: costureiras, motoristas, pianistas, etc.

A doença é conhecida também por outras denominações, como: Síndrome do Túnel do Carpo, Tenosinovites, Lesão Traumática Cumulativa ou Tendinite. LER é a designação de qualquer doença causada por esforço repetitivo enquanto DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho) é o nome dado as doenças causadas pelo trabalho. Alguns especialistas e entidades preferem, atualmente, denominar LER por DORT ou ainda LER/DORT. Consiste, portanto, em uma lesão relacionada com a atividade praticada pela pessoa e pode ser considerada uma doença ocupacional. Pode ser causada ou agravada por práticas como postura incorreta, levantamento de pesos que forçam determinada musculatura, sedentarismo, falta de alongamento dos músculos antes da atividade a ser realizada, etc.

Postura correta para utilizar o computador.

É uma doença que se desenvolve lentamente, de uma maneira quase imperceptível, pois não é um dano causado de uma só vez. Este fato é o que mais leva as pessoas a não se prevenirem, pois não a percebem ao longo da vida, mas somente quando já existe um grande comprometimento da área afetada. Muitos precisam pedir licenças no trabalho, fazer longos tratamentos, fisioterapia, ou até mesmo afastarem-se do trabalho por não conseguirem mais executá-lo.

Por conta de todos estes inconvenientes, o melhor a fazer e prevenir-se, e para isso são necessárias algumas medidas:

  • Em caso de passar muito tempo sentada, a pessoa deve ter um apoio adequado para os pés e para as costas, de modo que permita-lhe uma postura correta.
  • Em caso de utilizar as mãos, é necessário que o apoio para as mesmas esteja em uma altura compatível com o tórax da pessoa, nem muito alto, de modo a manter os braços suspensos, nem muito baixo, deixando-os esticados demais e sem apoio.
  • O alongamento muscular é necessário na maioria das atividades que realizamos. Dependendo de qual seja a sua atividade, deve-se alongar com mais cuidado as áreas do corpo que serão mais utilizadas.
  • Fazer pausas durante o expediente, de modo que não seja necessário ficar muito tempo na mesma posição. Essa é uma recomendação geral. Mesmo que haja muito trabalho, o melhor não é fazer tudo de uma vez, pois isso pode causar um esgotamento físico ou mental, o descanso é necessário e pode ser uma grande ajuda, melhorando o desenvolvimento do trabalho.
  • Tomar água pelo menos a cada hora de trabalho, aproveitando para levantar e movimentar o corpo.
  • No caso da digitação, não apoiar os pulsos, mantê-los suspensos enquanto estiver digitando.
  • A prática da Ginástica Laboral tem sido adotada por muitas empresas para prevenir problemas como este, e tem se mostrado muito eficiente.

Sintomas, tratamento e providências Legais

Os sintomas mais conhecidos da síndrome são dores nas partes afetadas. A dor é semalhante a dor de reumatismo ou de esforço estático, como por exemplo a dor causada quando se segura algo com o braço, por longo tempo, sem movimentá-lo. Há formigamentos e dores que dão a sensação de queimadura ou, às vezes, frio localizado.

Ao notar qualquer um dos sintomas, o mais indicado é procurar imediatamente um médico, para que possa ser feita uma avaliação e, caso seja necessário, um tratamento. Afastar-se temporariamente da atividade ou diminuí-la também pode ajudar.

Como já dito, é considerada uma doença ocupacional, o que equivale a um “acidente de trabalho“, por conta disso, a sua ocorrência deve ser comunicada aos órgãos competentes. A Norma Regulamentadora de número 17 (NR 17) estabelece várias recomendações ergonômicas relativas ao ambiente do trabalho, dentre elas a de que o trabalho efetivo de entrada de dados (digitação) não pode ultrapassar a 5 horas dia e que a cada 50 minutos de digitação deve haver uma pausa de 10 minutos.

Fontes:
http://www.bauru.unesp.br/curso_cipa/4_doencas_do_trabalho/2_ler.htm
http://cliquesaude.com.br/ler-lesao-por-esforco-repetitivo-204.html

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.