Síndrome de Cotard

A síndrome de Cotard, também conhecida como síndrome do cadáver ambulante, é uma condição médica na qual o indivíduo acredita estar morto ou que seus órgãos não estejam mais funcionando ou necrosados, ou ainda, de que seus familiares, amigos ou o mundo que o rodeia não existem mais.

Foi no ano de 1880, que o neurologista francês Jules Cotard descreveu o caso de uma mulher de 43 anos que sofria de uma forma grave de melancolia ansiosa, com um delírio hipocondríaco incomum caracterizado pela convicção da não-existência dos seus órgãos. Alguns outros autores já haviam mencionado casos similares; no entanto, Cotard foi o primeiro a fazer uma descrição detalhada dessa condição. Em 1882, este mesmo autor utilizou o termo “delírio de negação” para definir a condição de sua paciente. Foi apenas em 1893, que Emil Régis conferiu o nome de Síndrome de Cotard.

Desde então, diversos casos semelhantes têm sido descritos na literatura. Todavia, não se conhece ao certo a etiologia dessa doença, sendo que, atualmente, nem é contemplado pelos sistemas internacionais de classificação de doenças.

Esta condição pode apresentar diferentes graus de gravidade. Nas formas brandas, os pacientes demonstram sentimento de desespero, enquanto que nas formas mais severas, os doentes negam a própria existência e/ou a existência do mundo.

O fato de o paciente acreditar, delirantemente, que está morto, que está em estado de decomposição ou que já apodreceu, evidencia um pensamento depressivo, sendo que sua descrição clássica relaciona-se com quadros melancólicos, hoje em dia conhecidos como transtorno de humor unipolar.

Assim como todos os outros problemas psiquiátricos, não existe sintoma característico somente de uma doença, podendo também essa condição ser descrita em casos de esquizofrenias, psicoses, em indivíduos que fazem uso de drogas, entre outros. Também pode estar associada à síndrome de Capgras.

A terapêutica é feita por meio do uso de antidepressivos tricíclicos e serotoninérgicos, somados a sessões de terapia eletroconvulsiva (TEC, ou simplesmente choques elétricos).

Fontes:
http://redepsicologia.com/sindrome-de-cotard
http://dicionariodesindromes.blogspot.com/2006/10/sndrome-de-cotard.html
http://revista.saude-mental.net/index.php?object=39&url=article=1228____visual=16

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Psicologia, Síndromes