Síndrome de Estocolmo

A síndrome de Estocolmo é um estado psicológico particular desenvolvida por uma vítima de sequestro.

O nome desse distúrbio é oriundo do famoso assalto de Norrmalmstorg do Kredibanken em Norrmalmstorg, em Estocolmo, que durou do dia 23 a 28 de agosto de 1973. Nesse assalto, as vítimas normalmente defendiam os sequestradores, mesmo após os seis dias de sequestro terem chegado ao fim e apresentaram comportamento reservado durante os processos judiciais do caso. O termo foi assinalado pelo criminólogo e psicólogo Nils Bejerot, que auxiliou a polícia no período do assalto.

As vítimas passam a identificar-se emocionalmente com os criminosos, inicialmente como modo de defesa, por medo de retaliação e/ou violência por parte deles. Um mínimo gesto de gentileza dos raptores normalmente é ampliado, pois, do ponto de vista das vítimas, é extremamente difícil, ou até impossível, obter uma visão clara da realidade nessas situações e obter uma mensuração do perigo real. Deste modo, as tentativas de libertação são tidas como uma ameaça, pois a vítima pode correr o risco de ser magoada. É importante salientar que os sintomas resultam de um estresse físico e mental (emocional) extremo. O complexo e comportamento duplo de afetividade e ódio concomitantes junto aos raptores é considerado como uma estratégia de sobrevivência por parte dos reféns.

O processo da síndrome se desenvolve sem que a vítima tenha consciência disso. A mente elabora um artifício ilusório objetivando resguardar a psique dos reféns. A proximidade afetiva e emocional com o criminoso ocorre para gerar distanciamento da realidade perigosa e violenta a qual o indivíduo está submetido. Contudo, a vítima não está completamente alheia à situação na qual se encontra, parte de sua mente se mantém atenta ao perigo, sendo que é isso que leva à maioria das vítimas a escapar do seqüestrador em certo momento, mesmo em casos de extenso cativeiro.

Um dos casos mais famosos e característicos da síndrome é o de Patty Hearst, que desenvolveu a condição em 1974, depois de sofrer um seqüestro durante um assalto a banco realizado pela organização militar politicamente engajada (o Exército de Libertação Simbionesa). Após libertada do cativeiro, a vítima juntou-se aos seus raptores, passando a viver com eles, sendo cúmplice em seus assaltos.

Já  um dos casos mais recentes divulgados na mídia, é o caso da jovem Natascha Kampusch, que desapareceu em 1998, a caminho da escola, aos 10 anos de idade na Áustria, e reapareceu em 2006, aos 18 anos. Natascha reapareceu em um jardim de Viena após escapar da casa de seu seqüestrador, quando este estava distraído. Em uma declaração dada à mídia, a jovem afirmou o seguinte: “Minha juventude foi bastante diferente. Mas também evitei diversas coisas – não comecei a fumar ou beber, ou a andar em más companhias”.  Segundo a maioria dos especialistas, Kampusch aparentemente sofre com a síndrome.

A doença pode desenvolve-se em vítimas de sequestro, cenários de guerra, sobreviventes de campos de concentração, indivíduos que ficam submetidos à prisão domiciliar por familiares e também em vítimas de abusos pessoais. É importante ressaltar que não são todas as vítimas que desenvolvem a síndrome ao final do ato de violência a qual foi submetida.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Síndrome_de_Estocolmo
http://www.medicinaealimentacao.com/?id=583&Sindrome-de-Estocolmo
http://pessoas.hsw.uol.com.br/sindrome-de-estocolmo.htm
http://www.portais.ws/?page=art_det&ida=4767

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Psicologia, Síndromes