Overdose

Por Marlene Amariz
Também denominada como super dose ou dose excessiva. Overdose é um termo em inglês utilizado cientificamente para indicar a exposição do organismo à altas doses de uma ou mais substâncias químicas, lícitas ou ilícitas, tais como: drogas de abuso, medicamento, álcool, ou alguma outra substância.

Esta dose excessiva é capaz de provocar efeitos adversos agudos, físicos e/ou mentais, acusando sintomas clínicos que debilitam o organismo, levando à falência de órgãos vitais, como coração e pulmões, causando graves conseqüências ao indivíduo, inclusive a morte.

Geralmente liga-se o termo overdose à drogas de abuso, e à dependência química, porém sabe-se que o corpo humano tem seus limites, e várias substâncias quando utilizadas acima do que ele possa suportar, poderão desencadear reações imprevisíveis e desagradáveis.

E fisiologicamente o que ocorre?

A metabolização, ou seja, a eliminação da droga ingerida geralmente é feita pelo fígado. Nesta metabolização as drogas são decompostas, resultando em outros compostos mais simples e menos tóxicos que estas. Quando a ingestão for maior que a velocidade de metabolização, vai ocorrendo um acúmulo de substâncias tóxicas (intoxicação), alcançando níveis capazes de provocar parada cardíaca ou respiratória, ou ainda depressão total do SNC (Sistema Nervoso Central), sendo fatal.

Como exemplo podemos citar o álcool, que quando seu nível atinge 0,4% à 0,5% no sangue, equivalendo à 600 ml de uísque bebido num período igual ou inferior à 60 minutos, provoca o coma.Quando o nível ingerido atinge 0,6% à 0,7%, o equivalente à 750 ml, no mesmo período de tempo, todo o cérebro e medula entram em depressão profunda, provocando paralisia do centro respiratório, e conseqüentemente, a morte. Já a quantidade suficiente de cocaína capaz de causar uma overdose, seguida de parada cardíaca é de 1,2 g, porém os usuários desenvolvem tolerância.

Sinais de overdose

Normalmente os efeitos podem variar de indivíduo para indivíduo, devido à vários fatores, tais como: tipo de droga ingerida, quantidade, vias de administração utilizada, procedência da droga, constituição física e psicológica, circunstâncias em que ocorre a overdose.

Mas, de um modo geral são: problemas respiratórios e perda de consciência.

A overdose pode ser acidental, provocada, fatal ou não, porém torna-se difícil estabelecer um critério para cada uma dessas situações, onde na grande maioria dos casos, ela ocorre quando o usuário busca maiores efeitos, e perde o controle das doses, encaminhando-se às vezes acidentalmente e outras vezes consciente do risco que corre para quadros que poderão levá-lo à morte.

A overdose é hoje uma das principais causas de morte entre os dependente químicos.

Um grande número de mortes por overdose poderia ser evitado, desde que o indivíduo em crise por overdose recebesse socorro adequado e imediato de um atendimento especializado. Devemos ressaltar que os amigos ou a(s) pessoa(s) que o socorrem terão o direito ao anonimato, não correndo o risco de serem delatados.

Uma das coisas que não deve-se fazer é provocar vômitos, o que em caso de overdose não auxiliaria, e seria ainda mais prejudicial. O ideal é que sempre se procure um serviço médico especializado com profissionais preparados para esse tipo de atendimento, onde encontra-se na rede hospitalar pública ou privada.

Fontes
- Artigo: “Alguns conceitos importantes”, Santos, Silvestre Rosa M.
- Revista Brasileira de Clínica Terapêutica: 25(5), Set./1999
Artigo: “ Overdose por cocaína- uma revisão crítica”, Perri,P.Cleusa; Dunn,John
- NEAD - Núcleo Einstein de Álcool e Drogas do Hosp. Israelita A. Einstein