Alfabetização de adultos

O desafio da alfabetização de adultos no Brasil está diretamente relacionado a superação de um de nossos maiores problemas educacionais: as altas taxas de analfabetismo. De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2014 o país contava com 13,2 milhões de pessoas analfabetas, em termos representativos esse número equivale a população inteira da cidade de São Paulo na época da pesquisa.

Pauta das políticas de educação no Brasil desde os anos 40, a alfabetização de adultos especialmente em faixas etárias mais altas requer alguns cuidados na elaboração das propostas pedagógicas e dos planos de curso das unidades escolares que atendem este segmento de ensino.

A trajetória de vida, os pensamentos, necessidades materiais e a inserção no mundo do trabalho devem ser consideradas com a finalidade de propor uma metodologia de ensino adequada. É comum o fato de alunos que retornam aos bancos escolares depois de adultos terem abandonado a escola quando mais jovens por necessidades de trabalho. Logo, o próprio trabalho, as aspirações de cada aluno, suas crenças e valores devem ser respeitados e como ponto de partida para a construção do conhecimento. E por se tratar de grupos com características tão heterogêneas, o ensino em turmas de alfabetização deve se pautar pelo respeito às origens e os ritmos de aprendizagem de cada um. Por esses motivos, a escola não pode oferecer a esses alunos um ensino baseando-se nas mesmas características do ensino oferecido em turmas regulares, que contam com crianças em idade e série compatíveis.

Adultos aprendem melhor quando percebem que o que estão aprendendo se aplica a sua realidade e se motivam quando percebem transformações em suas aprendizagens. O aprendizado por resolução de problemas, com tarefas e atividades a serem executadas ao invés de memorizadas, por exemplo, irá estimular a construção de conhecimentos partindo do conhecimento prévio do aluno ao mesmo tempo em que irão estimular sua autoestima e sua própria valorização como cidadãos.

Perante tais especificidades a serem consideradas no ensino dessa população, é importante refletir sobre a formação dos professores responsáveis por aulas nessas turmas. Via de regra a formação inicial de professores nos cursos de nível superior não privilegia o processo de alfabetização de adultos. Logo, cresce a importância de se criar dentro dos espaços escolares momentos de formação continuada aonde, a partir de uma proposta de ensino, os professores possam coletivamente discutir sobre as características de aprendizagem dos alunos atendidos, as dificuldades encontradas na retomada da escolaridade, evasão escolar, estratégias interdisciplinares de aprendizagem, abordagens metodológicas, adaptação de materiais e livros didáticos, avaliação etc.

Esses momentos de reflexão sobre práticas pedagógicas e concepções de ensino são importantes para que o processo de alfabetização tenha como objetivo final a educação de adultos sob uma perspectiva integradora, isto é, que privilegie o conhecimento escolar sem deixar de lado as experiências de vida desses alunos. Desta forma, a aprendizagem deve ser significativa para que os estudantes, para além do saber ler e escrever, ao longo da escolarização, mesmo que tardia, construam competências para a compreensão do mundo no qual estão inseridos e participam, autonomia necessária para a melhoria da própria qualidade de vida dessa população.

Bibliografia:

PICONEZ, Stela C. Bertholo. Reflexões pedagógicas sobre o ensino e aprendizagem de pessoas jovens e adultas/ Secretaria da Educação, Centro de Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: SE, 2014.

ESTEVES, Maria Mara Teixeira. A Alfabetização e o Letramento na Educação de Jovens e Adultos. Anais Fiped 2012, volume 1, número 1. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/1212eee0f0b15545ebbb586217370e7f_2025.pdf

NOBREGA, Carmem Verônica de Almeida Ribeiro. A Alfabetização de Adultos e Idosos: Novos Horizontes. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba. PB: João Pessoa, 2006. Disponível em: http://www.ce.ufpb.br/ppge/Dissertacoes/dissert06/Carmem%20%20Veronica/A%20alfabetiza%E7%E3o%20de%20adultos%20e%20idosos%20novos%20horizontes.pdf

Arquivado em: Educação, Pedagogia