Andragogia

Por Thais Pacievitch
Andragogia diz respeito ao ensino de adultos. Segundo Knowles (1976, p. 17), andragogia é a “arte e a ciência destinada a auxiliar os adultos a aprender e a compreender o processo de aprendizagem de adultos”. A andragogia busca compreender o adulto considerando os aspectos psicológicos, biológicos e sociais.

A andragogia difere da pedagogia se comparada aos modelos pedagógicos conservadores. No entanto, alguns pressupostos da andragogia são semelhantes aos de modelos pedagógicos transformadores.

A educação de adultos embasada em um modelo andragógico tem como princípios:

  • A necessidade dos adultos em saber a finalidade, o “porque” de certos conteúdos e aprendizagens
  • A facilidade dos adultos em aprender pela experiência.
  • A percepção dos adultos sobre a aprendizagem como resolução de problemas.
  • A motivação para aprender é maior se for interna (necessidade individual), e se o conteúdo a ser aprendido ser de aplicação imediata.
  • Os adultos trazem uma bagagem de experiências que podem contribuir para sua própria aprendizagem.

No modelo de educação andragógico, os alunos participam das diversas fases do processo de ensino-aprendizagem, tais como: Diagnóstico das necessidades educativas; elaboração de plano e estabelecimento de objetivos a partir do diagnóstico; e formas de avaliação. A metodologia é voltada para a participação ativa dos alunos, e a organização curricular é flexível, visando atender as especificidades de cada adulto.

O professor é considerado um facilitador, e como tal, sua relação com os alunos é horizontal, tendo como principal característica o diálogo, o respeito, a colaboração e a confiança. O clima propício para a aprendizagem, segundo o modelo andragógico, tem como características o conforto, a informalidade e o respeito, garantindo assim, que o aluno se sinta seguro e confiante.

A andragogia, enquanto modelo para a educação de adultos, é caracterizada pela participação dos alunos, pela flexibilidade e pelo foco no processo, ao invés da ênfase no conteúdo.

Leia também:

Referências:
MARQUES, Francisca Maria Mendes. Andragogia: sonho e realidade. UNAR, Araras (SP), v.1, n.1, p.76-78, 2007.

NOGUEIRA, Sónia Mairos. A andragogia: que contributos para a prática educativa? Linhas: Revista do Programa de Mestrado em Educação e Cultura. Florianópolis. v. 5, n. 2, p. 333-356, dez., 2004