Lei de Lenz

Por Glauber Luciano Kítor
Quando um ímã é movimentado nas proximidades de uma espira condutora fechada, conforme mostra a figura 01, surge uma força eletromotriz induzida nesta espira, e uma corrente elétrica pode ser detectada neste circuito.

Figura 01: representação do aparato experimental montado: fio de cobre esmaltado ou encapado conectado em um multímetro, ajustado na função amperímetro e um ímã que produzira mudança no fluxo magnético no interior da espira

Figura 01: representação do aparato experimental montado: fio de cobre esmaltado ou encapado conectado em um multímetro, ajustado na função amperímetro e um ímã que produzira mudança no fluxo magnético no interior da espira

A lei de Faraday expressa apenas a intensidade da força eletromotriz induzida. Sendo assim, em 1834, o físico russo Heinrich E. Lenz (1804-1865) define que a força eletromotriz é igual ao negativo da variação do fluxo magnético no interior da espira, assumindo a forma:
art29_fig01_lei_de_lenz_eq
Assim, a Lei de Lenz evidencia o aparecimento de uma reação contrária a ação provocada pelo ímã. Ou seja, se o norte do ímã se aproxima da espira, o sentido da força eletromotriz é anti-horário. Isto porque, conforme convencionado, o norte é o sentido positivo da indução magnética. Por sua vez, o sentido do movimento das cargas positivas coincide com o sentido da força eletromotriz induzida, conforme mostra a figura 02.

Figura 02: representação de uma espira circular percorrida por uma corrente elétrica devido a variação do fluxo magnético: positivo entrando no plano da espira

Figura 02: representação de uma espira circular percorrida por uma corrente elétrica devido a variação do fluxo magnético: positivo entrando no plano da espira

Tais afirmações nos conduzem a conclusão de que não é possível produzir energia elétrica sem que seja realizado um trabalho. Isto é bastante evidente, pois pra mudar o movimento de uma carga elétrica situada em um condutor, cada uma delas tem de receber um impulso, proveniente de uma força aplicada.

Desta forma, mais uma vez fica evidente que grandezas como quantidade de movimento e energia se conservam em todos os processos ocorridos em sistemas isolados na natureza.

Apoiado nestas informações muitos cientistas buscaram soluções visando uma otimização no aproveitamento das formas de energia, especialmente buscando minimizar as perdas. Desta forma, desenvolveram-se cada vez mais os métodos de produção de energia, e ainda criaram-se outros mais eficientes.

Referências bibliográficas:
HALLIDAY, David, RESNIK Robert, KRANE, Denneth S. Física 3, volume 2, 5 Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004. 384 p.