República Checa

A República Checa (Česká republika, em checo) é um país independente, sem saída para o mar, localizado no centro da Europa. Seu território de 78,866 km² é um pouco menor que as áreas de Espírito Santo e Rio de Janeiro combinados. A capital é Praga, e a maioria dos 10.4 milhões de habitantes do país são checos (94%), sendo que eslovacos, roma (ciganos), silésios, poloneses, alemães e ucranianos constituem minorias.

A maioria dos cidadãos checos são cristãos, divididos entre católicos romanos e protestantes. O idioma oficial do estado é o checo. A moeda utilizada no país é a koruna. A República Checa divide fronteiras com a Alemanha a oeste e noroeste, Polônia a nordeste e leste, Eslováquia a sudeste e Áustria ao sul.

Os checos perderam a independência nacional aos Habsburgo em 1620, na Batalha da Montanha Branca e nos próximos trezentos anos foram governados pela monarquia austríaca. Com o colapso da Áustria-Hungria no final da Primeira Guerra Mundial, a Checoslováquia foi formada. Por razões históricas, os eslovacos não estavam no mesmo nível de desenvolvimento econômico e tecnológico dos checos. As diferenças nunca foram totalmente superadas, e a discrepância desempenhou um papel contínuo ao longo dos 75 anos de união.

Na Segunda Guerra Mundial, a Checoslováquia é obrigada a ceder a região dos Sudetos à Alemanha. Mais tarde, a Alemanha invade o que restava do país, estabelecendo um "protetorado". A Eslováquia declara a independência, formando um estado fantoche alemão.

No final da guerra, tropas soviéticas invadem o país. Reunificado, o país realiza eleições nacionais em 1946. O Partido Comunista, que obteve a maioria, toma o poder em 1948 sob o manto da legalidade superficial. Por mais de uma década a estrutura comunista local foi caracterizada pela ortodoxia da liderança de Antonin Novotny.

Surge o descontentamento dentro das fileiras do Partido Comunista com o ritmo lento das reformas econômicas, a resistência à liberalização cultural, e o desejo dos eslovacos de uma maior autonomia. Novotny é substituído como líder do partido pelo eslovaco Alexander Dubcek.

As reformas propostas por Dubcek criam grande preocupação entre alguns governos do Pacto de Varsóvia. Na noite de 20 de agosto de 1968, tropas do Pacto invadem a Checoslováquia. Os principais reformadores foram levados secretamente para a União Soviética e obrigados a assinar um tratado que previa o "estacionamento temporário" de um número não especificado de soldados soviéticos no país. Dubcek é substituído por outro eslovaco, Gustav Husak.

Os anos 1970 e 1980, ficam conhecidos como o período de "normalização", e a vida política, social e econômica estagnou. No fim da década, diante de um esmagador repúdio popular, o Partido Comunista em colapso. Seus líderes renunciam em dezembro de 1989 e Vaclav Havel é eleito presidente a 29 de dezembro.

Em 1 de janeiro de 1993, as duas repúblicas decidem formar dois estados separados. A 1 de janeiro de 1993, a República Checa e a República da Eslováquia são fundadas0 simultaneamente e de forma pacífica. As relações entre os dois estados, apesar de ocasionais disputas sobre a divisão do legado federal e de soberania da fronteira, tem sido pacífica. Ambos os estados tiveram reconhecimento imediato dos EUA e de seus vizinhos europeus.

Bibliografia:
Czech Republic profile (em inglês). Disponível em: http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-17220219. Acesso em: 23 set. 2012.
Background Note: Czech Republic (em inglês). Disponível em: http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/3237.htm. Acesso em: 23 set. 2012.
Mapa: http://emm.newsbrief.eu/NewsBrief/countryedition/pt/CZ.htm

Arquivado em: Europa