Antropocentrismo

Por Emerson Santiago
Recebe o nome de antropocentrismo a ideia, surgida na Europa do fim da Idade Média, que considera o Homem o centro do cosmos. O antropocentrismo sugere que o homem deve ser o centro das ações, da expressão cultural, histórica e filosófica.

O Homem Vitruviano, desenho de Leonardo da Vinci, 1490.

O Homem Vitruviano, desenho de Leonardo da Vinci, 1490.

Tal filosofia ganhará popularidade em detrimento de outra predominante, o teocentrismo, onde Deus (no caso, o deus da tradição judaico-cristã) preponderava como referência central na vida do cidadão comum. Como consequência, este momento na história europeia marca a separação entre Teologia e Filosofia, resultado do surgimento do humanismo renascentista, que eleva o antropocentrismo a ideia central. É a chegada de uma nova era, um tempo que valoriza a razão, o homem, a matéria, onde ter prazer em viver não é mais visto universalmente como pecado. Em suma, é uma ruptura com o período anterior.

Como pano de fundo para esta ruptura, há ainda um conjunto de fatores a serem considerados, como a decadência da poderosa estrutura da igreja católica e a ascensão dos estados nacionais no âmbito político, econômico e cultural, com o apoio da nobreza e da burguesia.

O surgimento do antropocentrismo causa ao mesmo tempo o declínio do escolasticismo, pois os novos intelectuais demonstravam interesse primordial pela literatura secular (humanae litterae, daí o nome de "humanistas"). As preocupações dos filósofos humanistas, desenvolvidas nos séculos posteriores, giram em torno de três grandes temas: o homem, a sociedade e a natureza. Estes novos filósofos eram questionadores, críticos, que não hesitavam em externar seu pensamento, preocupados em problematizar a realidade. É, enfim, um ser racional, que valoriza questões ligadas à matéria, o retrato do homem renascentista, que acredita que tudo pode ser explicado por meio da razão e da ciência.

A mudança de mentalidade será importante ainda no estímulo à pesquisa científica, fazendo com que as ciências, a arte e a literatura passem por evoluções constantes. Importante notar que, mesmo nos tempos atuais, onde os preceitos trazidos pelo antropocentrismo ainda predominam com bastante vigor, não houve uma extinção definitiva do modo de vida baseado na fé religiosa. Ao longo dos séculos, vemos vários estados cujas leis fundamentais, ainda hoje, estão baseadas na fé. Mesmo em um dos mais importantes celeiros do capitalismo e do moderno pensamento humanista como os Estados Unidos, podemos encontrar comunidades que praticam um estilo de vida baseado no teocentrismo, como no caso da região conhecida como Bible Belt (ou "cinturão bíblico" em inglês). Aliás, foi desta área, que pela primeira vez, surgiu, no final do século XIX a expressão “fundamentalismo”, hoje muito popular para definir os modernos terroristas religiosos.

Bibliografia:
CARVALHO, Frank Viana. Humanismo e Antropocentrismo. Disponível em: < http://frankvcarvalho.blogspot.com.br/2011/08/humanismo-e-antropocentrismo.html >. Acesso: 25/05/13.

Antropocentrismo. Disponível em: < http://www.redescola.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=421:antropocentrismo&catid=42:documentos >. Acesso: 25/05/13.

Antropocentrismo. Disponível em: < http://www.infopedia.pt/$antropocentrismo >. Acesso: 25/05/13.