Interação Gênica

Por Fabiana Santos Gonçalves
Nas interações gênicas, dois ou mais pares de genes interagem para determinar uma característica. Esses genes se distribuem de forma independente durante a formação dos gametas.

Muitas características nos seres vivos são determinadas dessa forma, como por exemplo, a forma da crista em galináceos, pigmentação do olho de drosófilas (mosca da fruta).

Em galináceos existem quatro tipos (fenótipos) de cristas: ervilha, rosa, noz e simples. Depois de vários estudos de cruzamentos realizados entre galináceos com fenótipos diferentes, os cientistas concluíram que essas características eram condicionadas por dois pares de alelos R/r e E/e, que se segregam de forma independente durante a formação dos gametas. Então, se uma fêmea possui o genótipo RrEe ela iria produzir os seguintes gametas: RE, Re, rE e re. Um macho com o genótipo rree produzirá apenas gametas re.


Representação esquemática da distribuição de alelos nos gametas durante a meiose

A interação dos alelos determina um fenótipo:

Interação de: Fenótipo
R_E_ Crista Noz
R_ee Crista Rosa
rrE_ Crista Ervilha
rree Crista Simples

Quando duas aves heterozigotas (crista Noz) são cruzadas, a geração F1 obedece às seguintes proporções:

(P) RrEe x RrEe

Proporção (F1) Genótipo Fenótipo
9 R_E_ Noz
3 R_ee Rosa
3 rrEe Ervilha
1 rree Simples

Se cruzarmos dois indivíduos heterozigotos, com dois pares de alelos e obtermos a proporção 9:3:3:1, podemos concluir que trata-se de um caso de interação gênica com segregação independente.

Fontes
Amabis, José Mariano. Biologia. Volume 3. Editora Moderna.