Civilização Hindu

Por Tiago Ferreira da Silva
A Civilização Hindu é uma das sociedades mais antigas do mundo. Com a centralização comercial no Oriente Médio e em regiões estratégicas da Ásia, o território hoje ocupado pela Índia ficou distanciado dos demais povos e se manteve economicamente pelo comércio interno das especiarias até a era da Idade Média.

Por volta de 2000 a.C., os dravidianos habitavam a Índia e cultivavam a terra para agricultura com avançadas técnicas de irrigação. Posteriormente, tribos arianas começaram a dominar os territórios hindus.

Os arianos formaram uma nova sociedade hindu, criando hierarquias políticas e religiosas das quais os dravidianos não tinham acesso. O antigo povo foi escravizado e organizado em castas inferiores – os dravidianos eram totalmente submissos e não tinham a possibilidade de mudar de classe social.

Desde a Antiguidade o povo hindu teve forte proximidade com a religião. Com a invasão dos arianos, os superiores pensavam estar conectados ao deus superior Brahma.

As castas eram divididas da seguinte maneira:

  • Brâmanes: sacerdotes que representavam a maior autoridade social e acreditavam ser parte do cérebro do deus Brahma.
  • Xátrias: guerreiros que ficavam encarregados de vigiar as castas inferiores e lhe punirem com severos castigos, como submetê-los aos mais humilhantes trabalhos forçados. Também tinham grande força política.
  • Vaixias: comerciantes e artesãos que movimentavam a economia local.
  • Sudras: servos, geralmente dravidianos, que serviam aos superiores.
  • Párias: considerada a escória da sociedade, estavam relegados aos piores trabalhos forçados.

A ignorância e a imposição do poder criou o dogma da separação das castas. As castas eram vistas pelos Vedas (escrituras sagradas do Hinduísmo) como uma organização espontânea das pessoas e seus talentos.

Indignado com a tirania dos brâmanes, no século VI a.C. Buda saiu da região do Nepal e decidiu acabar com séculos de escravização do povo hindu. Ficou recluso por mais de seis anos, onde descobriu a necessidade humana de libertar-se para poder viver em paz consigo mesmo. Sua doutrina ficou conhecida como budismo e foi amplamente difundida pelas classes mais pobres.

Buda acreditava que a vida chegava ao fim, mas a alma era eterna. Quando uma pessoa vinha a falecer, a alma se separava do corpo e transitava entre humanos e animais, dependendo de suas ações durante a vida. Se continuasse praticando o bem, atingiria um estágio superior, o Nirvana, onde encontraria a paz e a tranquilidade supremas.

O budismo conquistou novos adeptos após a morte de Buda. Hoje, ela é uma das principais religiões do mundo, expandindo sua influência para regiões da China, Japão e toda a Ásia.