Guerra Civil Chinesa

A Guerra Civil Chinesa que durou 22 anos, de 1927, ano em que houve o massacre de milhares de comunistas em Xangai pelo partido de cunho nacionalista chamado de Kuomitang, até o ano de 1949, quando foi fundada a República Popular da China.

O Kuomitang é o partido chinês que assumiu o poder quando da queda da monarquia em 1911. Na verdade ele foi fundado por Sun Yat-Sem, o primeiro presidente da recém proclamada República Chinesa que, junto com seus seguidores fundou o partido nacionalista.

Entretanto, os kuomitang não conseguiram fazer frente às potencias estrangeiras e nem aos “chefes de guerra”, como eram conhecidos os chefes militares locais. Neste contexto, foi criado em 1921 o Partido Comunista Chinês com o intuito de organizar os operários, artesãos e collies existentes no país.

O Partido Comunista e os kuomitang chegaram até a manter uma aliança baseada nos interesses anti colonialistas em comum, porém em 1927 o general Chiang Kai-Shec ao assumir o comando das tropas do Partido Nacional decidiu submeter todos os chefes locais do país. Ao avançar sobre o norte os kuomitang se aproximaram de importantes cidades chinesas, como Cantão e Shangai, provocando o levante dos operários comunistas que queriam chegar antes que os kuomitang e assumir o poder naquelas cidades. Os kuomitang se viram obrigados a escolher entre apoiar as comunas recém instauradas ou rechaçá-las. Ficaram com a segunda opção demarcando a ruptura entre os dois partidos e a completa lateralização do partido nacionalista.

Costuma-se dividir a Guerra Civil Chinesa em três períodos:

- O primeiro, de 1927 a 1930, caracteriza-se pela tentativa do partido comunista chinês em tomar algumas das principais cidades chinesas com insucesso, perdendo assim grande parte de seus seguidores que haviam passado de 57 em 1921 a 57.963 membros em 1927 e agora, em 1930, se via bastante reduzido novamente;

- O segundo período, de 1931 a 1937, período em que Mao Tse-Tung assume o comando do partido comunista e, ao contrário do que previra Marx com a revolução dos operários, a mudança de estratégia do PCCh começa a apoiar seus ideais de revolução nos camponeses, criando os sovietes rurais e desenvolvendo as táticas de guerrilha como forma de luta. Foi nesse período que ocorreu um grande episódio na história do PCCh, a Grande Marcha (de 1934-35), quando Mao Tse-Tung e seus seguidores se viram obrigados a abandonar o soviete em que se encontravam devido a uma nova investida dos kuomitang liderados por Chiang Kai-Shec, tendo que percorrer mais de 10 mil quilômetros pelo interior da China até chegar ao soviete de Yenan na província de Shensi;

- O terceiro e último período da Guerra Civil Chinesa ocorreu de 1937, início do período da Guerra Sino-Japonesa, até 1949 quando foi finalmente proclamada a República Popular da China com a expulsão de Chiang Kai-Shec.

Diante da ameaça japonesa e sob a pressão da crescente popularidade de Mao Tse-Tung após a Grande Marcha, Chiang Kai-Shec acaba por assinar um tratado de paz com o PCCh em setembro de 1937. Entretanto durante a guerra contra os japoneses, na qual Chiang Kai-Shec levado pela incapacidade de seu exército em resistir optara por apenas recuar e destruir toda a infra-estrutura das regiões que seriam inevitavelmente ocupadas pelos japoneses na espera de que as potências ocidentais dessem conta de liquidar os nipônicos, o exército vermelho de Mao Tse-Tung se fortalecia apoiados nas táticas de guerrilha que travavam contra a ocupação japonesa. Ao término da Guerra Sino-Japonesa os comunistas somavam de 600 a 900 mil guerrilheiros.

Com o fim repentino da II Guerra e o lançamento das bombas atômicas sobre o Japão, os comunistas e os kuomitang trataram de começar uma corrida para ocupar o espaço vazio deixado pelos japoneses nas regiões norte e leste da China. Assim, em 1946 deu-se por encerrada a colaboração entre os comunistas e os kuomitang e iniciou-se novamente a guerra civil. Em 1948 Mao Tse-Tung baseado nas suas táticas de guerrilha (“1. atacar primeiro as forças dispersas do inimigo, depois atacar as forças concentradas, mais fortes; 2. tomar primeiro as cidades pequenas e médias e extensas áreas rurais, depois as grandes cidades; 3. considerar como principal objetivo o extermínio dos efetivos militares do inimigo e não ter como intenção principal manter ou sustentar uma cidade ou um lugar qualquer; 4. em todas as batalhas a serem travadas, procurar sempre concentrar uma força militar absolutamente superior para poder cercar completamente o inimigo e lutar para exterminá-lo por completo,’não deixando um só escapar’...") consegue importantes vitórias em Lo-yan, Honan, Tsisan e Huai-hai. A vitória dos comunistas é selada com a ocupação de Nanquim em 24 de 1949, porém Mao só proclamaria a nova república em outubro daquele ano.

Arquivado em: História