Guerra de Tróia

Por Claudia Souza
Segundo arqueólogos, Tróia ou Ílion, como era conhecida, existiu de 2.250 a.C. até aproximadamente 1250 a.C., quando foi destruída pelos gregos. Localizava-se na colina Hissarlik na Turquia. O motivo ao certo, não se sabe. Alguns historiadores acreditam que a Guerra de Tróia, ocorreu pelo interesse nos tesouros do Rei “Priamo”, mas supõe-se que a cobrança de tributos aos barcos que vinham do Negro em direção à Grécia, também pode ter sido uma das causas.

Réplica do Cavalo de Tróia, em exposição na Turquia. Foto: 7382489561 / Shutterstock.com

Réplica do Cavalo de Tróia, em exposição na Turquia. Foto: 7382489561 / Shutterstock.com

Segundo a Lenda, Helena (a mulher mais linda do mundo que era filha de Zeus com a Rainha Leda de “Esparta”), era casada com Menelau (Rei de Esparta). Numa dessas reuniões imperiais, conheceu Páris (Príncipe de Tróia) e se apaixonou por ele, fugindo com o amante, abandonou seu marido que ficou furioso.

Menelau, traído, reuniu os ex-pretendentes de sua esposa que haviam prometido sempre protegê-la e resolveu atacar Tróia, numa aventura que durou dez anos, custando a vida de vários guerreiros famosos da história, como Pátroclo, Ajax, Heitor, Aquiles, Ulisses, Príamo, Agamenon e Páris.
A história é repleta de fatos isolados provocados pela ira dos Deuses e Deusas que facilitavam e ao mesmo tempo, dificultavam o acesso à Tróia, segundo os seus interesses. Muitos navios foram destruídos, diminuindo a quantidade de soldados.

Os homens ficaram durante anos, acampados nas proximidades de Tróia esperando o melhor momento para o ataque. Após várias tentativas sem sucesso, Odisseu (Ulisses), que era um estrategista, deu a idéia de oferecer ao Rei um presente. Um gigantesco cavalo de madeira que passaria pelos portões de Tróia. O Rei baixou sua guarda e recebeu o Cavalo sem saber, que no seu interior, estavam os soldados prontos para o ataque. Durante a madrugada, os soldados saíram do seu interior e abriram as portas do reino para os demais soldados prontos para destruir Tróia.

E foi assim que os “Aqueus” (antigos gregos), venceram os Troianos. Helena foi recuperada pelo marido e levada de volta a Tróia, onde permaneceu até o final dos seus dias.

Esta história se popularizou através dos poemas épicos atribuídos a Homero - Ilíada e Odisséia. Segundo a tradição histórica e literária, Homero teria vivido por volta do século VIII a.C. e referia-se em seus poemas épicos a episódios que teriam ocorrido cerca de 400 anos antes, por volta do século XII a.C.