Império de Gana

Por Emerson Santiago
O Império de Gana, também conhecido como Império Uagadu, foi o nome dado a um antigo estado localizado na África Ocidental, onde hoje temos o sudeste da Mauritânia e o oeste do Mali, e que teve seu apogeu entre os anos de 700 e 1200 da Era Cristã. A capital do estado localizava-se na cidade de Kumbi Saleh, hoje um sítio arqueológico na fronteira entre Mauritânia e Mali, que de acordo com as pesquisas, já era habitado desde o século III, por povos mandês, destacando-se os do grupo soninquê, predominante durante maior parte da existência do antigo estado. O nome Gana deriva do título atribuído aos seus soberanos, sendo o termo Uagadu utilizado para o mesmo país, mas pelos habitantes locais, significando "país dos rebanhos".

A mais importante descrição do Império de Gana e comumente citada como fonte testemunhal é o relato do espanhol al-Bakri contida em seu "Kitāb al-Masālik wa-al-Mamālik" (livro das estradas e reinos), escrito por volta de 1068 em Córdoba, e que relatava a grande opulência do monarca local, que controlava uma economia bastante diversa a partir de uma capital rodeada por muros de pedra e que incluía entre as suas riquezas, diversas minas de ouro sob monopólio real. Al-Bakri destaca ainda a produção agrícola desenvolvida, a tecelagem, além do domínio da metalurgia, com a qual se manufaturavam muitos equipamentos, armas e ferramentas. A ideia obtida da leitura da descrição de Al-Bakri permite fazer a imagem do Império de Gana como um imenso oásis protetor na fronteira sul do deserto do Saara, onde sua população rodeava-se de hortas, palmeirais, pepinos e figueiras numa imagem luxuriante.

Destacava-se este império negro ainda pelo comércio trans-saariano intenso, onde se utilizou bastante a figura do camelo como meio eficaz de transporte ante o clima rigoroso do deserto, permitindo um comércio até com a Europa e a Ásia. Vários eram os gêneros deste comércio global, entre eles o de escravos, bastante lucrativo.

Na época de seu maior desenvolvimento, o monarca e os seus súditos praticavam uma religião baseada no culto aos ancestrais e manifestações da natureza, algo parecido com as religiões animistas atuais praticadas na África Ocidental. Por outro lado, o islamismo fazia-se presente, especialmente entre os habitantes dos subúrbios das grandes cidades. Aliás, Al-Bakri dá ênfase à influência muçulmana neste estado animista, provavelmente pelo fato de ser ele também muçulmano.

O declínio do Império de Gana ainda não é totalmente conhecido, sendo que a versão mais popular é a da invasão Almorávida (povos bérberes muçulmanos vindos do atual Marrocos) em 1076. Atualmente, ainda acredita-se que os almorávidas tenham um papel predominante na decadência de Gana, mas hoje também é reconhecido o fato da desagregação deste grande império em vários outros reinos menores e as disputas internas como fatores determinantes em sua extinção.

Boa parte das informações atuais sobre Gana são ainda provenientes dos relatos de viajantes islâmicos como Al-Bakri e à influência muçulmana na região, com seu grupo letrado, que revelou ao restante do mundo islâmico e mais tarde ao mundo inteiro a existência deste império africano.

Bibliografia:
COSTA, Ricardo da. A expansão árabe na África e os Impérios negros de Gana, Mali e Songai (sécs. VII-XVI) - Segunda Parte. Disponível em: http://www.ricardocosta.com/pub/imperiosnegros2.htm Acesso em: 02 jul. 2011.

Ancient Ghana. Disponível em: http://www.bbc.co.uk/worldservice/africa/features/storyofafrica/4chapter1.shtml Acesso em: 02  jul. 2011.

HOOKER, Richard. Civilizations in Africa: Ghana. Disponível em: http://public.wsu.edu/~dee/CIVAFRCA/GHANA.HTM Acesso em: 02 jul. 2011.