Museu de Arte Moderna de Paris

O Museu de Arte Moderna de Paris está instalado no Centro Nacional de Arte e Cultura Georges Pompidou - Centre national d'art et de culture Georges-Pompidou -, um dos cartões postais culturais mais procurados pelos turistas nesta cidade. Este centro arquitetônico e artístico, de caráter público, foi aberto para visitações em 1977.

Esta instituição abriga uma vasta biblioteca, a qual pode receber pelo menos 2000 pessoas; um museu que expõe um cenário internacional integral das artes plásticas no século XX; teatros; e um instituto voltado para pesquisa e coordenação acústica-musical.

Há pouco tempo o Atelier Brancusi - que contém esculturas elaboradas pelo romeno Constantin Brancusi, expostas em um contexto similar ao do antigo local de trabalho do escultor, reproduzido até mesmo na disposição das luzes neste ambiente -, foi adicionado a este complexo.

Este Centro artístico-cultural é um exemplar do estilo arquitetônico vigente na década de 70 e utilizado ainda hoje, o high-tech. Ele se baseia na exploração estética dos recursos tecnológicos e industriais, dando à construção uma atmosfera de funcionalidade.

É comum, portanto, encontrar nestes edifícios, como o Centro Pompidou, tubos visíveis, como canais de ar condicionado e outros semelhantes, além de escadas rolantes no exterior e um formato estrutural quadrado, edificado em aço para reproduzir o aspecto industrial. Tudo pintado com cores bem fortes.

Esta opção arquitetônica revelou-se bastante inventiva na época da construção do Centro, concebido pelos arquitetos Renzo Piano, da Itália, e Richard Rogers, de naturalização britânica. Ousado, elaborado no âmago de um momento decisivo na arquitetura moderna, foi por isso mesmo considerado um projeto polêmico. Alguns estudiosos vêem esta inovação como um sinal da emergência da arte pós-moderna.

Seu estabelecimento junto à praça do Centro, um local público, torna viável a extensão dos eventos interiores para este espaço externo. Em meio a tantas renovações, o Pompidou oferece mostras temporárias, palestras de especialistas, debates, eventos cinematográficos, apresentações teatrais e musicais, além de disponibilizar ao público as obras de seu acervo.

As coleções estão organizadas ao longo dos sete andares que compõem esta construção. Mas as 1300 obras especificamente modernas estão concentradas no quarto e no quinto andares do prédio, constituindo o que há de mais expressivo no âmbito contemporâneo em todo o continente europeu.

O Centro também abriga uma biblioteca importante, que oferece ao público em geral uma significativa coleção de obras, Internet grátis, periódicos e jornais de todo o Globo, bem como TVs com uma ampla gama de canais internacionais. O visitante também não pode perder a oportunidade de ir até o último andar do Pompidou e de lá vislumbrar a mais deslumbrante paisagem de Paris, especialmente a do bairro de Montmartre.

Fontes
http://forum.jokerartgallery.com/index.php?topic=129.0
http://dreamguides.edreams.pt/franca/paris/centre-pompidou
Dicionário Enciclopédico Larousse – 2007 – Larousse do Brasil.

Arquivado em: Artes, História