Hormônio Folículo Estimulante (FSH)

Por Fabiana Santos Gonçalves
O FSH é uma glicoproteína que regula o crescimento, desenvolvimento, puberdade, reprodução e secreção de hormônios. O FSH é secretado pela glândula pituitária anterior.

Síntese e secreção

Primeiramente, a produção de FSH é estimulada pelo hormônio liberador das gonadotropinas (GnRH) ou hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH), na região pré-óptica do hipotálamo.

Essa secreção normalmente ocorre aos pulsos, tanto de LH (hormônio luteinizante) quanto de FSH.

A produção destes hormônios é afetada por vários fatores. Dopamina, serotonina, noradrenalina e endorfina regulam a secreção. Dopamina e endorfina diminuem a liberação de GnRh e LH. Ferormônios também influenciam a secreção de GnRH.

A produção pulsátil de FSH é sincronizada com a de LH. Na ausência do LH, a produção de FSH cessa imediatamente, e quanto mais LH é produzido, mais FSH é secretado. Essa flutuação nos níveis de FSH e LH refletem a produção de hormônios como testosterona, que também são produzidos em pulsos.

As células granulosas dos ovários e as células de Sertolli nos testículos possuem receptores específicos para o FSH, que circula na corrente sanguínea independente de proteínas. Na primeira fase do ciclo menstrual, o FSH e o LH se encontram em maior quantidade na corrente sanguínea, além de apresentar picos altos do dia da ovulação e dias próximos a ela. Isso pode auxiliar mulheres que desejam saber o dia certo de sua ovulação.

Função

Quando o FSH se liga aos receptores das células de Sertolli e as células granulosas dos ovários, ele estimula elas produzirem inibina, estradiol e outras proteínas essenciais à gametogênese.

Na mulher, o FSH é responsável pelo crescimento e maturação dos folículos ovarianos durante a ovogênese. Uma resposta positiva é exercida sobre o hipotálamo e sobre a pituitária durante a fase folicular do ciclo ovariano, resultando em um pico de LH e liberação de FSH, o que faz com que o folículo de Graaf se rompa e libere o óvulo, resultando na ovulação. A secreção de LH e FSH diminui durante a fase lútea.

No homem, o FSH atua durante a espermatogênese.
O FSH é utilizado em algumas técnicas de fertilização para induzir a ovulação.

Patologias

Níveis diminuídos e até mesmo a ausência de FSH levam à infertilidade masculina e feminina.

O excesso de FSH em mulheres pode indicar deficiências nos ovários associadas à síndromes e até puberdade precoce.

Nos testículos, o excesso de FSH causa níveis altos de testosterona.

Fontes
Fisiologia. Robert M. Berne... [et al.], tradutores Nephtali Segal Grinbaum... [et al.]. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2004