Computação Ubíqua

Por Anna Adami
Oriundo do termo inglês Ubiquitous Computing ou Ubicomp, a Computação Ubíqua, também chamada de Computação Pervasiva e UbiComp, descreve a presença direta e constante da informática e tecnologia na vida das pessoas, em suas casas e ambientes de convívio social. Uma outra nomenclatura é a Inteligência Ambiental. O nome Ubíquo é um termo do Latim ubiquu, que significa estar em todos os locais. O termo Ubíqua foi publicado em 1991, pelo então cientista do Centro de Pesquisa Xerox Mark Weiser em seu artigo intitulado The Computer for the 21st Century (O Computador do Século 21).

O objetivo da Computação Ubíqua é integrar totalmente a relação tecnologia/máquina com os seres humanos, de forma tal que seja invisível, no sentido de automático (utilizar sem perceber). Os computadores fazem parte da vida das pessoas de tal maneira que se tornam “humanos”, com seus sistemas inteligentes, que os tornam onipresentes. Para que isto seja possível, a utilização da chamada interface natural torna a comunicação mais sensível e fácil, através de formas de interagir com as pessoas, como gesto, fala e visão. Outra maneira é a computação sensível ao contexto, que torna possível a captura da situação através dos dispositivos eletrônicos, como o movimento da pessoa em um espaço, o qual pode ser detectado facilmente.

O sistema para gerenciar a computação ubíqua pode ser de pequeno porte, apenas com conexão de rede sem fio a um computador de grande capacidade. Um exemplo prático desta funcionalidade são casas que podem ser controladas por meio da tecnologia ubíqua; iluminação pode ser acionada, ligar ou desligar televisores e equipamentos eletroeletrônicos, até o monitoramento de pessoas acamadas ou controlar os itens da dispensa pelo prazo de validade, entre outros.

A Computação Ubíqua utiliza o aprimoramento dos Sistemas de Informação Distribuídos (SID), os quais oferecem a utilização desta tecnologia por meio de um software. A ideia principal é que os computadores compartilham as pessoas, através da mobilidade inteligente das redes.

O desafio dos cientistas e profissionais desta área é tornar a Computação Ubíqua cada vez mais presente na vida das pessoas, de forma que a interface seja capaz de armazenar informações e literalmente, aprender a partir das funções realizadas anteriormente programadas. Compartilhar dados, informações e conhecimento se tornará mais simples e fácil. Sem que seja percebida, esta tecnologia fará parte do processo de evolução do ser humano.

O futuro breve da Computação Ubíqua é a interação total, não somente de celulares, computadores, televisores ou e-books, mas também dispositivos como mesa, cadeira, chaveiro, geladeira, caneta, agenda e outros itens que não pertencem a informática. Através da função cloud computing (computação em nuvem) e interligação de internet, todos os dispositivos utilizados no dia-a-dia poderão ser interligados e adaptados a necessidade de cada pessoa.

Fontes:
http://www.hardware.com.br/artigos/computacao-ubiqua/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Computa%C3%A7%C3%A3o_ub%C3%ADqua
http://alterdatatecnologia.com.br/blog/index.php/2010/07/voce-sabe-o-que-e-computacao-ubiqua/