A Comédia Humana

Por Ana Lucia Santana
A Comédia Humana, que engloba oitenta e oito livros, apresenta em sua totalidade uma vasta galeria de personagens, pelo menos 3500 figuras literárias desfilam em suas páginas, inclusive um certo número de animais; nesta obra monumental todos são geniais, até mesmo os porteiros.

Compõem esta ampla compilação ficcional romances, novelas e contos, gêneros que aqui enfocam especialmente a elevação do status social da burguesia, fato encenado no contexto histórico da Restauração. Os fatos estão distribuídos em dezessete volumes – na versão brasileira, publicada pela Editora Globo – e em aproximadamente dez mil e seiscentas páginas.

Os contemporâneos de Balzac não o consideravam um escritor talentoso, e o próprio autor via a si mesmo mais como um narrador dos costumes de uma era, pois sua principal meta era expressar as várias modificações que atingiam, no século XIX, o organismo social francês, desde o período passageiro do Antigo Regime até o fortalecimento da burguesia moderna.

Assim, Balzac discorria sobre temas que nunca antes haviam sido abordados na esfera da literatura, tais como os meios de transporte interurbanos franceses; o mecanismo de consolidação da tipografia; a profissão de jornalista, recém-nascida; o dia-a-dia das instituições cartoriais; a produção das perfumarias; atas de concordatas, entre outros assuntos rotineiros. Ele tinha a habilidade de tocar nestes pontos triviais sem cair na mesmice.

Da mesma forma ele representou em sua obra o apaixonante embate das classes sociais, inserindo o termo ‘comunismo’ pioneiramente em uma criação literária; discutiu igualmente elementos da doutrina espírita, enredos políticos, práticas místicas e temáticas polêmicas, como o lesbianismo.

Balzac construiu a Comédia Humana durante vinte anos, criando sem cessar. Ele morreu cedo, quando tinha apenas cinquenta anos, isolado, após devotar sua existência apenas à literatura. Ele cultivou, ao longo de sua vida, o mito do indivíduo resistente e majestoso, embora se nutrisse somente de cafés, nos quais era completamente viciado, uma vez que seu trabalho se estendia noite afora.

O autor era obsessivo na forma como escrevia novamente os mesmos trechos, retificando-os compulsivamente. Sua matéria-prima era o corpo social, ao qual ele atribuía uma aura mítica, pois a sociedade, para ele, doava ao ser humano seu substrato mais íntimo. O mundo criado por Balzac se fundamenta no conceito de uma instituição social integral, na qual é encenada a ‘comédia humana’.

Neste meio convivem os membros destinados à salvação a partir do momento em que optam pela dependência mútua, encaixando-se nas engrenagens sociais, e os marginalizados por escolha própria, que desde o início são rejeitados pelos demais. Trava-se aqui o confronto entre os que não conseguem se adaptar às mudanças e os que facilmente acompanham as transformações históricas.

Fontes:
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/honore-de-balzac-comedia-humana.html
http://www.wooz.org.br/literaturabalzac.htm