Características do Parnasianismo

O Parnasianismo ficou conhecido como a estética da “arte pela arte”, divergindo completamente das estéticas anteriores. Seus representantes aqui no Brasil foram, principalmente, Olavo Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia. Em um nível internacional, seus precursores foram Théophile Gautier, Stéphane Mallarmé e Paul Verlaine.

O meio externo foi um fator que sempre teve muita influência com o fazer literário, porém os autores parnasianos não se deixaram abater por causas externas, pois buscavam um olhar neutro sobre a realidade, cultuando a poesia voltada para ela mesma (arte pela arte). O Parnasianismo trazia em si um antissentimentalismo e antirromantismo, pois acreditavam que estas influências poderiam comprometer a capacidade imaginativa e o profissionalismo do poeta. O poeta era tido como um ser frio, indiferente a emoções, e o seu fazer poético valorizava a objetividade, a técnica e a imparcialidade.

A poesia tinha tendência a ser metalinguística, e o que era valorizado era o trabalho, o esforço, a transpiração, em detrimento da inspiração. A poesia parnasiana possuía alto rigor técnico, tendo este como seu traço marcante.

O Parnasianismo, de certo modo, retomou alguns moldes utilizados na Antiguidade Clássica, como o próprio nome (Parnasianismo), além da rima e da métrica (volta ao mundo grego), das descrições e da impessoalidade.

Além das já citadas, podemos citar também como importantes características do Parnasianismo:

  • CULTO AO BELO - esta beleza é estética e relacionada ao próprio fazer poético. Os autores parnasianos acreditavam que a forma do poema deveria sobrepor-se ao conteúdo, e por isso buscavam o máximo do rigor formal.
  • APEGO AOS IDEAIS CLÁSSICOS - os poetas revelam uma extrema objetividade, mantendo-se altivos, serenos e neutros. Valorizavam também a forma clássica, optando pelo soneto, pelo verso decassílabos ou alexandrino, pelas rimas ricas ou raras e pela chave de ouro (verso que conclui o poema de forma magistral).
  • PRECIOSISMO FORMAL - uso de vocabulário erudito, buscando o alcance da perfeição.
  • HIPÉRBATO - recurso estilístico predominante, que consistia na representação indireta dos elementos do discurso, com o objetivo de enobrecer a linguagem.
  • DESCRITIVISMO - descrição bem detalhada de objetos (geralmente inertes) como estátuas, vasos, etc.
  • TEMÁTICA GRECO-ROMANA - a temática abordada pelos poemas parnasianos recuperava temas da antiguidade clássica, como sua história e sua mitologia. Comumente os textos descreviam deuses, heróis, fatos lendários e até objetos da antiguidade.
  • ENJAMBEMENT - o “encadeamento sintático” se dá quando a métrica do verso termina antes da sua ideia. O conteúdo se encerra, pois, no verso de baixo. Sendo assim, o verbo dependerá do contexto para ser compreendido.

Além da habilidade na criação de versos, do vocabulário culto e das demais características que acabamos de expor, há ainda outras características do parnasianismo que ocorriam com grande frequência nos poemas, como a comparação da poesia com as artes plásticas, o enfoque na descrição das características físicas da mulher e o universalismo.