Principais obras de Oscar Wilde

Oscar Wilde é um dos grandes talentos da literatura conhecidos mundialmente, que também escreveu alguns clássicos da dramaturgia. Nascido em Dublin - Irlanda, além de estudar nesta cidade, morou em Londres, onde frequentou a universidade, casou, após retornar de um período em Paris, e teve filhos. Foi preso e, logo que deixou a prisão, voltou a morar na capital francesa, adotando o pseudônimo de Sebastian Melmoth. Por lá ficou até os últimos dias de sua vida.

Ganhador de muitos prêmios e medalhas, o extravagante Wilde escreveu peças de teatro, contos, poesias, romances. Algumas de suas cartas foram publicadas, ministrou uma série de palestras, autor de inúmeros aforismos – preceito expresso em forma de sentença breve.

Dentre as peças de teatro que escreveu estão: "Salomé" (1891), "O leque de Lady Windermere" (1892); "Uma mulher sem importância" (1893); "A importância de ser prudente" (1895). Algumas delas são apresentadas até os dias de hoje.

A personagem Salomé, que leva o mesmo nome da obra, era sensual, dona de uma libido insaciável, cruel e agressivo. Em contrapartida, o dramaturgo também considerava sua criação pura e divina. Segundo o website SunriseMusics, o autor achava que "Salomé tornou-se a combinação de um ser sensual, infantil e divino somado à força destrutiva da natureza".

Já "O leque de Lady Windermere" aborda situações que envolvem intrigas e mentiras dentro de uma sociedade recheada de superficialidade. A protagonista, que também tem o mesmo nome presente na obra, desconfia que seu marido tem um caso com uma outra mulher. Na verdade, esta terceira pessoa é mãe da personagem principal, mas esta não sabe.

Em "Uma mulher sem importância", as personagens não são bem aquilo que se apresentam no começo da peca e, com o desenrolar desta, vão mostrando outras personalidades. Cheio de paradoxos e epigramas, desenvolve-se em situações dramáticas e tensas e em outros momentos, cômicas e humorísticas.

O nome original de "A importância de ser prudente" é "The Importance of Being Earnest" e existe um jogo de palavras com o último vocábulo, ou seja, earnest em inglês significa sério, correto e o codinome adotado pela personagem principal é Ernest, o mocinho da história.

Escreveu apenas um romance, que possui muitas adaptações para o cinema e teatro, "O retrato de Dorian Gray" (1890), que foi um dos seus maiores sucessos, senão o maior, além de ter sido considerado por críticos como a obra-prima da literatura inglesa.

No livro citado acima, o autor fala sobre arte, vaidade e manipulações humanas. A personagem principal, que leva o nome da obra, busca eternidade para a sua beleza e acaba por fazer um pacto com o destino. Em seu prefácio consta um de seus tantos aforismos: "Não existe livro moral ou amoral. Os livros são bem ou mal escritos. Eis tudo".

Em dois anos preso esteve também no Cárcere de Reading, onde criou, em 1896, o poema "A balada do Cárcere de Reading" e publicou-o dois anos depos. Além deste, escreveu muito mais e outro de seus escritos, "De profundis" – uma longa carta a Lorde Douglas – foi publicado. O homem em questão foi o estopim para sua prisão. Wilde ficou confinado por ser homossexual, quando perdeu um julgamento para o pai de Douglas.

Bibliografia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Oscar_Wilde
http://poetas.mortos.sites.uol.com.br/oscarw.htm
http://www.sunrisemusics.com/pecaswilde.htm

Arquivado em: Literatura