Cinco Minutos

Foi o primeiro romance de José de Alencar - o maior representante do Romantismo brasileiro.

O livro é muito interessante e a história é contada através da leitura de uma carta que é lida pela prima do narrador (que nunca tem o seu nome revelado), o leitor a conhece apenas por D.

Nesta carta, o narrador conta com detalhes como conheceu e se casou com o amor da sua vida – Carlota.

Tudo começa quando ele se atrasa 5 minutos e perde o ônibus, sem escolha ele pega outra condução e é nela que conhece o seu grande amor.

Ao sentar-se ao lado de uma mulher que cobria o rosto por um véu, ele logo fica curioso em saber quem ela é. Entre leves toques e olhares ele vai se apaixonando. Quando a moça salta do ônibus ela murmura: ‘Non ti scordar di me!” (Não se esqueça de mim).

Mesmo com receio que a moça fosse feia, o rapaz (já apaixonado) sai à sua procura.

O livro conta os encontros e desencontros de um casal apaixonado e é exatamente em um desses encontros que ela acaba revelando (através de uma carta) que tem uma doença incurável e que o amor deles é impossível. O curioso é que ela também conta que já o tinha visto e o amava muito antes do encontro no ônibus.

Desesperado com a notícia, o narrador vai até Petrópolis para dizer que quer ficar com ela, que seu amor é verdadeiro e que ele estaria disposto a fazer de tudo para aliviar o sofrimento de Carlota.

Como sua mãe, lutaria contra o destino, cercá-la-ia de tanto afeto e de tanta adoração, tornaria sua vida tão bela e tão tranqüila, prenderia tanto sua alma à terra, que lhe seria impossível deixá-la”.

Quando chega em Petrópolis a moça (que lhe deixou uma carta) havia partido. O narrador então, enche-se de coragem para encontrá-la novamente: compra um cavalo e pede carona a um pescador em seu barco para atravessar a baía de Guanabara para finalmente encontrar Carlota, que estava num navio em direção à Europa. Ao se encontrarem, vão juntos para o estrangeiro e lá vivem 10 dias de intenso amor.

Não podemos esquecer que se trata de um livro pertencente ao Romantismo, período literário no qual o amor é muito valorizado e vale todos os sacrifícios.

Em uma de suas crises de saúde, Carlota lhe pede um beijo. Ao beijá-la, ela começa a melhorar e querer viver novamente. Ao consultar um médico, este diz que a moça estava apenas passando por uma crise perigosa que podia matá-la, mas ela se salvou.

A viagem tinha sido o único remédio e o que nós tomávamos por um estado mortal não era senão a crise que se operava, crise perigosa, que podia matá-la, mas que felizmente a salvou.

Passados os problemas os dois se casam em Florença e passam 1 ano viajando pela Alemanha, França, Itália, Grécia. Ao voltarem para o Brasil vão morar em uma casa nas montanhas de Minas Gerais e são “felizes para sempre”.

A história parece simples, mas não é. O livro conquista o leitor desde as primeiras páginas, com um enredo cheio de suspense, amor e aventura.

Não é por acaso que José de Alencar é um dos autores mais populares do Brasil e a leitura de seus livros é praticamente obrigatória em escolas e faculdades de Letras.

Arquivado em: Livros