Confissões (Santo Agostinho)

Confissões é uma das obras mais conhecidas de Santo Agostinho e um dos mais importantes livros da história, sendo considerada uma autobiografia na qual o santo relata sua vida antes de se tornar cristão e sua conversão. A respeito desta obra, Santo Agostinho diz que a palavra confissões, mais que confessar pecados, significa adorar a Deus. É, portanto, um hino de louvor. O livro é considerado um clássico, tanto da literatura mundial, quanto da teologia cristã e até mesmo da filosofia.

"Existo, conheço e quero. Existo sabendo e querendo; e sei que existo e quero; e quero existir e saber. Repare, quem puder, como a vida é inseparável nestes três conceitos: uma só vida, uma só inteligência, uma só essência, sem que seja possível operar uma distinção, que, apesar de tudo, existe."

STO. AGOSTINHO: Confissões

Escritas entre os anos de 397 e 398, as confissões narram detalhadamente a sua vida, desde a concepção até o presente momento em que escrevia o livro. Finaliza o livro com um longo discurso sobre o Gênesis, mostrando como a Bíblia deve ser interpretada.

As confissões mantém a característica filosófica de Santo Agostinho, o qual fala sobre a Criação, o Tempo e sobre a noção psicológica que temos do tempo. A consciência psicológica e auto-revelação da obra ainda impressionam leitores.

Santo Agostinho narra também sua evolução espiritual e a sua procura pela verdade:

"Fazei, ó Senhor, que voltemos já para Vós para nos não submergirmos, porque o nosso bem, que sois Vós mesmo, vive, sem deficiência alguma, em Vós. Apesar de nos termos precipitado do nosso bem, não temos receio de o não encontrar quando voltarmos; porque, na nossa ausência, não desaba a nossa morada — a vossa eternidade."

STO. AGOSTINHO: Confissões (397/401)

Confissões retrata a história de um homem que se transformou em um dos maiores nomes do pensamento cristão. A obra faz ressurgir toda uma época, e marca a transição da cultura greco-romana para o Classicismo, que sofreu forte influência do Cristianismo.

Na primeira parte do livro, Santo Agostinho confessa quais foram, outrora, seus desregramentos. Nos cinco primeiros capítulos faz a invocação de uma epopéia teológica, sobrenatural. É um apelo do ser humano ao Ser Divino (Deus). Do sexto ao oitavo capítulos, discorre sobre sua infância e do nono ao vigésimo sobre a educação.

Foi um livro muito influente durante séculos e ajudou a formular o Cristianismo e até mesmo a sociedade ocidental da Idade Média.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Hipona
http://www.videeditorial.com.br/dicionario-obras-basicas-da-cultura-ocidental/a-b-c/confissoes-de-santo-agostinho.html
http://www.ebah.com.br/content/ABAAABuGkAJ/confissoes-santo-agostinho
http://leianatela.blogspot.com.br/2011/04/confissoes-de-santo-agostinho.html

Arquivado em: Livros