Exercícios - Dom Casmurro

Lista de exercícios retirados de provas de vestibulares sobre a obra Dom Casmurro, de Machado de Assis.
Ler artigo Dom Casmurro.


Exercício 1: (UFPR 2010)

Sobre a obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, considere as seguintes afirmativas:

  1. Logo no início do romance, Bentinho afirma: “Meu fim evidente era atar as duas pontas da vida”. Demonstra assim que, chegando ao final da vida, finalmente compreendeu tudo e pode então relatar com segurança que os acontecimentos que a definiram sucederam-se daquela maneira e pelas razões apontadas.
  2. Ao dar a conhecer sua vida desde a infância, o narrador Bentinho procura mostrar como na personalidade de Capitu menina já estavam as qualidades de dissimulação que ele viria a criticar mais tarde.
  3. Capitu é uma das personagens mais famosas da literatura brasileira. No entanto, pode-se argumentar que esse “sucesso” se dá, ele próprio, de forma “oblíqua e dissimulada”, já que ela nos é apresentada apenas através das palavras de um narrador que lhe é, a princípio, hostil.
  4. Tratando basicamente da vida de Bento Santiago, Dom Casmurro pode ser visto como uma exceção na obra de Machado, que vinha de largos painéis da sociedade carioca em seus primeiros romances (Ressurreição, por exemplo) e seguiria dali em diante para sagas familiares mais amplas (das famílias Cubas e Aires), dentro dos quadros do Realismo que vigorava na literatura de então.

Assinale a alternativa correta.


Exercício 2: (UFPR 2009)

Considere os seguintes fragmentos de análises de obras de autores brasileiros.

1. Visto de outro ângulo, há também nesse romance uma outra versão, realista e psicológica, dos “perfis de mulher” cultivados pelo romantismo. Não é só este, porém, na ficção de língua portuguesa, o primeiro “perfil feminino” tratado em profundidade, com uma argúcia rara, que não impede a simpatia compreensiva: é também o primeiro estudo menos incompleto de “psicologia do adolescente”. (Augusto Meyer)

2. Nesse romance o foco narrativo mostra a sua verdadeira força na medida em que é capaz de configurar o nível de consciência de um homem que, tendo conquistado a duras penas um lugar ao sol, absorveu na sua longa jornada toda a agressividade latente de um sistema de competição. O personagem principal cresceu e afirmou-se no clima da posse [...]. Tragédia do ciúme, no plano afetivo, e, ao mesmo tempo, romance do desencontro fatal entre o universo do ter e o universo do ser, esse romance ficará na economia extrema de seus meios expressivos, como paradigma do romance psicológico e social da nossa literatura. (Alfredo Bosi)

3. Nesse romance, o autor veicula, a seu modo, por meio de seus personagens um dos mais explorados motivos da prosa literária – o triângulo amoroso. É, entretanto, pela fala do personagem-narrador que conhecemos os fatos, e é pelo filtro de sua visão que formamos o perfil psicológico de cada uma das personagens. (William Roberto Cereja; Thereza Cochar Magalhães)

4. O seu maior romance é uma interpretação da vida e uma procura do tempo perdido. Munido de uma apurada técnica literária, ele vai iniciar a exploração da vida, olhada em resumo, do cimo desse planalto em que a velhice começa. O herói do romance nos relata de início como mandou reproduzir, peça por peça, em outro bairro, a antiga casa de Mata-cavalos, quieta, acolhedora, cheia de coisas velhas e consagradas pelo uso. (Barreto Filho)

Referem-se à obra Dom Casmurro os trechos: