Eurico, o Presbítero

Por Roberta de Sousa
Eurico, o Presbítero é um livro escrito por Alexandre Herculano. Está na linha de livros do Romantismo em obra épica. O livro busca enfatizar de forma ferrenha as características ao ponto de comparar a mulher a um ser angelical, as idéias opostas estão no decorrer de toda trama, o uso freqüente da natureza para mostrar a natureza humana (sentimento bucólico), romantismo monológico (onde o amor só tem uma linha de raciocínio), idealismo platônico, conflito dos personagens é constante.

Eurico é um sacerdote da igreja católica perturbado por suas recordações, principalmente a recordação de sua amada de codinome Hermengarda. O personagem além de ser um romântico apaixonado revela-se também um ótimo guerreiro, chamado cavaleiro negro. Suas funções não acabam por aqui é um excelente poeta. O homem rude, mas simultaneamente sensível, refugia-se no sacerdócio para mitigar o grande amor perdido, mas se tortura o tempo todo por esse amor; por outro lado, o guerreiro inveterado, que, impulsivamente, se refugia na camuflagem do cavaleiro negro para defender a raça, a terra, a pátria. E, na guerra, o desconhecido cavaleiro negro ou mata, ou morre. Daí, a interessante colocação desse personagem multivalente, que prega princípios cristãos, enquanto o cavaleiro negro pratica princípios bárbaros, de guerra.

O romance ora se apresenta, entretanto, tão rico de fatos, quase que sufoca a razão do titulo. O ingresso do Eurico ao presbitério se deu a uma desilusão amorosa e esta nos vai sendo revelada aos poucos, ou seja, Hermengarda, a maior responsável pelo amor frustrado, tem pouquíssima participação nas ações. No entanto, a frágil figura da mocinha indefesa, pura e considerada como ingênua, subjugada pelo pai dominador, acaba sendo o centro da história. Por sua atitude Eurico tornou-se presbítero, cavaleiro negro e poeta.

A estrutura é dada como um romance de cavalaria, podendo ser classificada, por outro lado, como um vasto manifesto contra a estrutura da Igreja Católica, contra a forma como a Península Ibérica foi assolada.