Literatura de Auto-Ajuda

Por Ana Lucia Santana
A literatura de auto-ajuda é um gênero atualmente muito procurado pelos leitores em busca de autoconhecimento, de orientação espiritual, de respostas para os males que os afligem. Ela atua como um bálsamo que aplaca a ansiedade, a angústia e o estresse, males tão característicos da modernidade. Entre os críticos e apreciadores de um universo literário mais refinado, porém, este estilo é visto com reservas e até mesmo com uma certa discriminação.

Apesar disso, as obras produzidas por este filão promissor estão sempre entre as mais vendidas nas listas organizadas pelos mais diversos periódicos, e as editoras que apostam neste campo certamente não se arrependem de sua escolha, pois faturam alto no mercado editorial.

Hoje a variedade de livros oferecidos por este gênero é surpreendentemente ampla, abrangendo desde a esfera científica, técnica, cultural, até temas de psicologia, relações humanas, religião, lazer, entre outros. É muito difícil para os leigos identificarem o que é realmente proveitoso, e o que não passa de oportunismo, entre tantos títulos distintos.

Esta literatura, considerada por muitos um campo à margem da esfera cultural, tem encontrado muito espaço na atualidade, talvez por conta da sensação de desamparo e de carência de rumos que se abate sobre a sociedade contemporânea. O fato é que muitos autores se beneficiam deste contexto, oferecendo ao ávido leitor a sua experiência própria, sua trajetória pessoal neste árido deserto psíquico, muitas vezes propondo caminhos para os que não tiveram a sorte de encontrar um oásis nesta travessia.

O público alvo não se restringe, como se pode imaginar, a classes sociais mais baixas e incultas. Hoje pessoas de todas as faixas sócio-econômicas e etárias cultivam esta leitura, na tentativa de preencher o vazio que muitas vezes se instala em sua esfera emocional e também no âmbito espiritual. Normalmente elas se esforçam para adquirir as mesmas vivências e pontos de vista transmitidos pelo elenco de escritores deste gênero, que por sua vez conquistaram este saber nas academias e, mais comumente, na prática existencial.

A procura de auto-ajuda se torna menos sofrida se as pessoas identificam nas experiências alheias os mesmos problemas e desafios enfrentados por elas, principalmente se estes parceiros de estrada encontraram respostas e soluções que os leitores ainda não conseguiram identificar. Desta forma o ser humano se sente menos só, o que aplaca seu desespero.

Seja como for, porém, esta literatura só pode oferecer uma ajuda, como já indica seu próprio título, pois a partir do momento em as pessoas assimilam o conteúdo destes livros, caberá a elas seguir ou não o mesmo caminho, acatar ou não as orientações oferecidas pelos autores. A cura para os males morais e espirituais deverá ser encontrada por cada um, com base nas trilhas que se descortinam diante do leitor, o qual terá que descobrir qual a mais adequada para sua experiência pessoal.

Entre sugestões que incluem hipnose, análise interior, meditação, técnicas chinesas de cura, receitas para enfrentar a ansiedade, o estresse, para se libertar dos vícios e de outros males psíquicos, entre outras indicações apontadas pela literatura de auto-ajuda, cada pessoa deverá escolher sua própria vereda.

Leia mais:

Fontes
http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/L/literatura_autoajuda.htm
http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/484070