Ética na Experimentação Animal

A experimentação animal é uma atividade humana com grande conteúdo ético. Os problemas éticos da experimentação animal surgem do conflito entre as justificativas para o uso de animais em beneficio de si próprios e do homem e o ato de não causar dor e sofrimento aos animais. Esse conflito é inevitável, e só pode ser tratado equilibrando-se os valores opostos. Quanto maior o sofrimento que um experimento irá causar aos animais, mais difícil é a sua justificativa. Não é nada fácil tomar decisões éticas.

É considerado como legitimamente ético os experimentos em animais que sejam de beneficio direto para a vida e para a saúde humana e animal. Também podem ser considerados éticos, mesmo não sendo benefícios diretos, os que procuram novo saber que contribua significativamente para o conhecimento da estrutura, função e comportamento dos seres vivos. Os experimentos com animais não são eticamente validos se houver métodos alternativos fidedignos para o conhecimento que se procura. O principio ético de reverencia pela vida exige que se tenha um ganho maior de conhecimento com um custo menor no número de animais utilizados e com o menor sofrimento dos mesmos.

Dois cientistas ingleses, Russell & Burch, conseguiram sintetizar com três palavras o Principio Humanitário da Experimentação Animal. Por sua grafia em inglês conter a letra R no inicio de cada palavra – Replacement, Reduction e Refinement-, que ficou definido como o Principio dos 3Rs: Replacement: Traduzido como Alternativas, indica que sempre que é possível devemos usar, no lugar de animais vivos, materiais sem sensibilidade, como cultura de tecidos ou modelos em computador. Os mamíferos devem ser substituídos por animais com sistema nervoso menos desenvolvido; Reduction- traduzido como Redução, já que devemos usar animais em certos tipos de experimento, o numero utilizado deverá ser menor possível, desde que nos forneça resultados estatísticos significativos. Atualmente, o número de animais usados em experimentação diminuiu porque se utilizam animais com estado sanitário e genético conhecidos, bem como são feitos o delineamento experimental e a analise estatística antes de se iniciar a pesquisa ou teste; Refinement- traduzido como Aprimoramento, refere-se a técnicas menos invasivas, ao manejo de animais somente por pessoas treinadas, pois uma simples injeção pode causar muita dor quando dada por pessoa inexperiente.

Atualmente, a maioria dos cientistas envolvidos com experimentação animal possui respeito pela vida e se preocupa em conduzir suas pesquisas sem causar dor e sofrimento aos animais, seguindo os princípios éticos da experimentação animal. Sabe-se que não é fácil policiar as pesquisas, pois esta é realizada em laboratórios fechados e pode-se dizer que o uso ético de animais depende muito da integridade e consciência de cada cientista.

Fonte:
Academia Suíça de Ciências. Ethical principles and guidelines of scientific experiments in Switzerland. Iclas Bulletin, 53:9, 1983.
Animais de laboratório: criação e experimentação. / Antenor de Andrade, Sergio Correia Pinto e Rosilene Santos de Oliveira.- Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.
Riviera, E. A. B. Ética e bem-estar na experimentação animal. Revista do Conselho Animal de Medicina Veterinária, 1 (1):12-15,1992.
Universities Federation for Animal Welfaren(Ufaw). The faw Handbook on the care and management of Laboratory Animals. 6th ed. London/New York: Churchill Livingstone, 1986.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Ética, Medicina