Parassónia

Por Débora Carvalho Meldau
Parassónia é definida como manifestações noturnas anormais durante o sono, em forma de movimentos, que levam à interrupção do sono. Este problema é mais comum em crianças do que em adultos.

Logo após adormecer, a maioria das pessoas apresenta espasmos involuntários breves por todo o corpo. Já algumas pessoas apresentam paralisia do sono ou breves alucinações. Geralmente durante o período de sono, as pessoas apresentam casuais tremores das pernas, enquanto que os adultos podem ranger o dente energicamente (bricomania), apresentar movimentos periódicos e sofrendo pesadelos. Os estados de sonambulismo, as bordoadas na cabeça, os terrores durante a noite e os pesadelos são mais comumente observados em crianças. Existe também a possibilidade de manifestação das crises epilépticas, que podem surgir em qualquer idade.

A acatisia, mais conhecida como a síndrome das pernas inquietas, é muito comum e geralmente surge antes do indivíduo adormecer, especialmente acima dos 50 anos de idade. Em situações de estresse, principalmente, indivíduos com acatisia apresentam um leve mal-estar nas pernas, em conjunto com movimentos espontâneos e incontroláveis destas. Não se conhece ao certo a etiologia dessa condição; contudo, mais de um terço dos indivíduos acometidos possuem histórico familiar da perturbação. A prevenção pode ser feita por meio do uso de benzodiazepinas antes de se deitar.

Os terrores noturnos são definidos como crises de medo com gritos e agitação e, por vezes, acompanhados de estados de sonambulismo. Estes episódios habitualmente encontram-se presentes durante as fases não REM do ciclo do sono. O tratamento com benzodiazepinas pode ser de grande valia.

Os pesadelos acometem crianças e adultos. Estes são experiências particularmente vividas e aterrorizantes, com conseguinte despertar brusco. Os pesadelos ocorrem durante o sono REM e são mais comuns em estados febris, situações de cansaço extremo ou após o consumo de bebidas alcoólicas. Não há, até o momento, um tratamento específico para correção dessa perturbação.

O sonambulismo é definido como o ato de andar de modo semiconsciente durante o período de sono, sem que o indivíduo perceba sua ação, sendo esta situação mais comum no final da infância e durante a adolescência. Sabe-se que sonâmbulos não sonham durante este estado, pois, na realidade, sua atividade cerebral aproxima-se mais de um indivíduo desperto do que com um indivíduo que se encontra em estado de sono. É comum que indivíduos em estado de sonambulismo tropecem em obstáculos, ficando magoados, além de murmurar copiosamente algumas frases. A maior parte desses indivíduos não se recorda do episódio.

Não existe um tratamento eficaz para o sonambulismo. A tendência dessa condição é diminuir ao longo dos anos, recomendando manter uma luz acessa no quarto ou corredor. Não é indicado despertar um indivíduo sonâmbulo bruscamente, pois este pode agir com violência. Outro ponto importante é a eliminação de possíveis obstáculos presentes no caminho do sonâmbulo, além de trancar com chave portas e janelas.

Fontes:
http://www.manualmerck.net/?id=90&cn=861
http://centrodosono.com/home/index.php?option=com_content&view=article&id=74:12-parassonias&catid=11:sono&Itemid=19
http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias.php?noticiaid=9451&assunto=Sono

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.