Bernardo Toro e as Sete Competências da Escola Contemporânea

Introdução

A busca pelo modelo de educação ideal tem gerado fortes debates e encontrado várias respostas antes ocultas no calabouço do desconhecimento. Porém, mesmo com tantas descobertas e avanços, o processo de atualização constante da sociedade acaba impossibilitando a concepção de um modelo de educação tão funcional que permita abolir as mazelas sociais e fazer vigorar um modelo de sociedade harmônica e unitária na reunião de todos os seus indivíduos.

Um dos aspectos amplamente discutido atualmente nos debates da educação é a função social da escola em plena a sociedade do conhecimento, do desenvolvimento científico-tecnológico e de todo o processo de globalização. É por esse tema que enveredamos no caminho um tanto desconhecido, mas, ao mesmo tempo, iluminado pelas ideias do colombiano Bernardo Toro, que apontou as Sete Competências que a escola deve desenvolver para atender as demandas da sociedade moderna.

Os Códigos da Modernidade e as Competências da Escola Moderna Segundo a Visão de Bernardo Toro

Competência I: domínio da leitura e da escrita

A sociedade moderna não admite mais do indivíduo o simples ato de ler despido da boa compreensão do que está sendo lido. A boa leitura é aquela da qual conseguimos absorver o máximo de informações possíveis sobre o assunto lido. Além da compreensão, ainda fala-se em interpretação do texto em estudo. Isso significa buscar as ideias que estão além do texto, num processo de inferência a partir das linhas escritas. O leitor moderno deverá, então, ser capaz não só de ler, mas também de compreender e interpretar o que está sendo lido.

Da mesma forma importante é a escrita. Hoje se sabe que a boa escrita emana da boa leitura, pois à medida que lemos o nosso vocabulário se multiplica, visualizamos estruturas gramaticais já postas em prática, compreendemos a correta escrita das palavras e as suas devidas aplicações nos diversos contextos. A correta escrita proporciona uma comunicação infalível, livre de falhas interpretativas, sendo, portanto, fundamental ferramenta de interação entre os seres sociais.

Competência II: capacidade de fazer cálculos e resolver problemas

Se antes bastava ao aluno saber resolver exercícios técnicos de matemática, agora essa concepção se estende à resolução de cálculos melhores elaborados, que exigem o desenvolvimento e uso do raciocínio lógico-matemático. O raciocínio lógico é o meio pelo qual se interpreta os dados de determinado problema e conclui sobre a ferramenta adequada àquele contexto. O cálculo será a etapa final de todo um processo de extração de dados, organização e interpretação de um determinado problema. Portanto, a escola deverá despertar a competência em seus alunos da resolução de problemas, mediada pelo raciocínio lógico e executada pelo conhecimento técnico do cálculo matemático.

Competência III: capacidade de analisar, sintetizar e interpretar dados, fatos e situações

Essa capacidade exigida do aluno está fortemente ligada à Estatística, ramo da matemática que lida com a organização e interpretação de dados. Percebe-se essa ideia se alastrando cada vez mais nos livros didáticos. A maioria dos livros atualizados de matemática valorizam bastante os conhecimentos sobre a Estatística e trazem curtos, médios e longos textos para que o aluno possa ser capaz de lê-los, interpretá-los, selecionar os principais dados neles contidos, organizá-los em tabelas e gráficos e poder, por fim, discutir sobre eles com propriedade e conhecimento pleno.

Competência IV: capacidade de compreender e atuar em seu entorno social

Um dos principais objetivos da educação contemporânea é formar a consciência do indivíduo para compreender o meio no qual ele está inserido e promover ações que modifique esse meio, caso seja necessário. O que se está buscando é a transformação de paradigmas que danifiquem a estrutura social em modelos que façam a humanidade progredir respeitando o planeta e cada manifestação da natureza. A convivência social saudável levará a harmonia e o sucesso coletivo, bem como à felicidade comum.

Competência V: receber criticamente os meios de comunicação

É altamente importante e necessária essa contribuição do educador e pensador colombiano, visto que o poder de influência da mídia cresce ilimitadamente. O que vemos são pessoas completamente movidas pelas promessas fantasiosas anunciadas pelos meios de comunicação, que por sua vez funciona como um militante do capitalismo exacerbado. A escola deverá atuar na formação do pensamento crítico e reflexivo sobre os meios de comunicação, de maneira que essas informações possam ser analisadas, debatidas e criticadas, buscando as ideias reais que se escondem por trás da roupagem explícita. O grande paradoxo da humanidade é ser livre por direito universal, mas ao mesmo tempo escrava de suas próprias escolhas.

Competência VI: capacidade de localizar, acessar e usar melhor a informação

O que vemos nos manuais de ensino atuais é um forte trabalho que visa o cumprimento dessa indicação de Toro. Nunca se viu tamanha dedicação à defesa do trabalho da estatística como no momento atual. Isso é justo, pois se vivemos no mundo da informação democrática e gratuita, se pregamos a criticidade sobre os processos de comunicação, nada mais justo que saber localizar essa informação, usar o direito de acessá-la livre e gratuitamente e tentar utilizá-la em nosso favor e em favor do coletivo.

Competência VII: capacidade de planejar, trabalhar e decidir em grupo

Essa competência, com certeza, é o foco da educação moderna: trabalhar a socialização, a interação, o compartilhamento entre os indivíduos. O trabalho realizado por meio de parcerias torna-se menos complexo, cansativo e com menor chance de erro. Além do mais, se idealizamos uma sociedade justa e igualitária, nada podemos pensar senão no desenvolvimento de projetos coletivos, no qual os indivíduos exibam as suas ideias, defendam o seu ponto de vista, contribua com as suas habilidades, porém, o produto final deverá ser a decisão coletiva, respeitados os direitos e opiniões de cada um.

Referência bibliográfica:
MENDONÇA, Ida Regina Moro Milleo de. A função social da escola. Disponível em: www.iesde.com.br. Acessado em: 24 de março de 2014.

Arquivado em: Educação, Pedagogia