Formação de Professores

Por Emanuelle Oliveira
Uma das dificuldades encontradas na formação dos educadores é a dissociação que se faz entre a teoria e a prática, ou seja, a separação entre o que se vê nos conteúdos do que se trabalha nas Universidades e o que se trabalha em sala de aula. Muitos estudiosos vêm pregando a instrumentalização dos professores como forma de realizar mudanças através de uma política de reconstrução da fundamentação da prática pedagógica. Já que eles assumem esse papel de avaliadores dos seus alunos, devem ter condições para tanto.

Um ponto que merece ser destacado em relação a profissão docente é a desvalorização dos professores que vêm enfrentando problemas que vai desde um salário digno a falta de preparação para professores e o próprio exercício deles.

Devido ao baixo salário, os professores se vêm obrigados a trabalharem em vários períodos, tendo que levar trabalho para casa sem ao menos serem remunerados para isso. É pela falta de dinheiro para investir na sua formação e por serem tão sobrecarregados que os professores estão sofrendo um processo de defasagem profissional. Todos esses fatores servem de desculpa para a escola não inovar no sistema de avaliação, sem investimento no tempo de estudo ou em cursos de aprofundamento para os professores.

Todavia, na própria escola os professores podem encontrar alternativas para aperfeiçoar e melhorar suas práticas pedagógicas. Ao investigar no espaço da própria prática, o professor pode apresentar a possibilidade de vivenciar o exercício reflexivo. Assim, a prática exercida no espaço da sala de aula e a pesquisa que dela pode emergir, ao acontecerem simultaneamente, interagem-se fazendo surgir uma re-significação do conceito de professor, de aluno, de aula e de aprendizagem. O professor pode fazer do seu trabalho em sala um espaço de transformação enquanto sujeito que não reproduz apenas, mas que produz seu conhecimento através de uma reflexão crítica.

Na atualidade é exigido do professor que ele pesquise, construa um projeto político pedagógico, teorize as praticas, tornando-as inovadoras; atualize-se permanentemente; e que maneje a instrumentalização eletrônica. A formação de professores esta intrinsecamente ligada a pesquisa, já que é através de uma análise crítica da sua prática que o professor toma consciência de dimensões e questões anteriormente ignoradas. Ele deve ter tempo para se dedicar a pesquisa, pois dessa forma ele estará construindo novos saberes.

A formação do professor é fator imprescindível para que a escola consiga alcançar melhores resultados, uma vez que o professor pode adotar em sua prática cotidiana uma postura que deverá auxiliar o aluno no desenvolvimento de um processo reflexivo.

Referências Bibliográficas:
ALARCÃO, Isabel. Dimensões da formação: formação contínua de professores, realidades e perspectivas. Portugal: Aveiro, 1991.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2002.