Pirarucu

Por Débora Carvalho Meldau
O pirarucu (Arapaima gigas) é um peixe encontrado geralmente na Bacia Amazônica, mais especificamente, nas águas calmas de sua várzea. A família a qual o pirarucu pertence é muito antiga, existindo sem modificações há mais de 100 milhões de anos, fazendo parte dela também o aruaná, um peixe menor.

Habitam águas de lagos e rios, claras, brancas e escuras, levemente alcalinas, com temperatura que variam de 24° a 37°C, ricas em vegetação, ou seja, com baixo teor de oxigênio. Mesmo vivendo em águas pobre em oxigênio, isso não é um problema para o pirarucu, pois ele possui uma bexiga natatória que pode funcionar como um pulmão, permitindo-lhe subir á superfície e respirar diretamente o oxigênio do ar.

Por ser um dos maiores peixes que habitam a Amazônia (podendo atingir mais de 2 metros e pesar 130 kg), este animal ganhou o nome de “bacalhau da Amazônia”. Mesmo sendo muito grande, este peixe consegue percorrer longas distâncias em terra firme em época de seca, à procura de água, pois, como já foi dioa anteriormente, este animal possui um equipamento auxiliar de respiração, que lhe permite retirar oxigênio da atmosfera necessário para sua sobrevivência.

O pirarucu é capaz de engolir qualquer coisa: caramujos, tartarugas, cobras, seixos, areia, lodo. Sua dieta é composta basicamente por outros peixes de água doce, de menores dimensões.

Assim que esses peixes formam casais, eles procuram um ambiente calmo e águas pouco profundas para colocar seus ovos, sendo que uma única fêmea pode pôr mais de 10.000 ovos. No entanto, é função do macho cuidar dos ovos e dos filhotes, por aproximadamente seis meses.

Embora sejam animais extremamente resistentes às adversidades do meio ambiente, são muito vulneráveis à ação de pescadores. Os cuidados com o ninho após a desova deixam os machos dessa espécie expostos à captura. Além desse fato, existem os predadores naturais (como por exemplo, a piranha), sendo que durante a longa fase de imaturidade sexual dos filhotes (conhecidos como “bodecos”), torna-se mais fácil sua captura por esses predadores, diminuindo assim, o sucesso reprodutivo desta espécie.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pirarucu
http://www.vivabrazil.com/pirarucu.htm
http://www.amazonnemo.com.br/pt/barco-hotel/peixes_da_amazonia/peixes_da_amazonia.php
http://www.pescaria.tur.br/index.php?pgn=3&pg=14
O Mundo dos Animais – Peixes I. Editora Nova Cultura, 1990