Centeio

Por Marilia Araujo
O centeio é uma gramínea pertencente à família Poaceae, do gênero Secale e seu nome científico de espécie é Secale cereale. Apenas uma espécie, o próprio centeio, para este gênero. Obedecendo à uma árvore filogenética, o trigo e a cevada tem algum parentesco com o centeio. Morfologicamente, a espécie possui uma raque firme, apresenta grãos grandes e seu ciclo é anual. Ainda diferencia-se das demais culturas de inverno por não apresentar uma característica constante quanto à maturação, espigamento e tipo de planta. Sendo assim, no inverno é possível observar espigas longas, apenas duas flores férteis e três anteras grandes, e dois grãos por cada espigueta presente. Nesta situação, há muita produção de pólen. Suas folhas apresentam um tom de verde-azulado, que pode variar e tendenciar a cor para um acinzentado.

Centeio
Centeio
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Poales
Família: Poaceae
Gênero: Secale
Espécie: Secale cereale

O cultivo do centeio pode ocorrer em solos suavemente ácidos, suporta bem climas mais secos e frios. Além de ainda serem mais resistentes à doenças e pragas comuns ao plantio. Por esses motivos, aqui no Brasil, o centeio virou uma cultura alternativa. Ele pode ser plantado sozinho ou com outras espécies, para compor a forragem do gado ou para ser utilizado e colhido como feno. Ou ainda, colhido para fornecer subsídios alimentares para os seres humanos.

Economicamente é um grão interessante, pois a partir dele a indústria alimentar pode elaborar rações, farinhas (base para pães e biscoitos), cerveja, whisky e vodcas.

Para os humanos, o centeio é indicado para diabéticos, hipertensos e atletas, desde que tolerantes à glúten, pois é rico em fibras e sais minerais e pobre em calorias. O que leva a entender que, se associado a uma dieta alimentar séria, pode auxiliar no combate à obesidade.

O uso do centeio não é indicado para pessoas que são alérgicas ao glúten, ou às pessoas que são sensíveis à esta substância, ou ainda às pessoas portadoras de doença celíaca.

Para o uso animal, o centeio pode ser associado à forragens, ou na composição de rações nutritivas para os bovinos. Apesar do valor nutricional do grão chegar a 90%, em uma ração a quantidade do centeio não pode ultrapassar os 20%, haja vista que é sabor não tanto agradável e é resistente à mastigação, é um grão mais rígido. O centeio tem muitas vantagens: se desenvolve bem em ambientes mais frios, pode ser colhido precocemente e ainda assim dará um bom complemento alimentar para os animais, além de se desenvolverem bem e rápido, em relação a outros grãos. Com isso se torna uma excelente alternativa tanto de plantio como de colheita.

As plantações seguintes ao centeio serão certamente beneficiadas, pois raízes e palhas que entram em decomposição enriquecem o solo e ainda afastam daninhas, soltando no solo substâncias alelopáticas. Isso resultará para o agricultor uma economia financeira pois não utilizará tantos herbicidas e para o consumidor final a vantagem também será boa: consumirá um alimento mais livre de agrotóxicos.

Bibliografia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Centeio
http://www.alimentacaosaudavel.org/centeio.html
http://www.agroatlas.ru/en/content/cultural/Secale_cereale_K/