Imperador

Por Antonio Gasparetto Junior
Imperador é o título nobre do soberano de algumas nações. O termo Imperador é derivado do latim Imperatore e significa “alguém que se prepara contra” ou “comandante”. Mas há ainda suas variações, como, por exemplo, no alemão que se usa Kaiser ou nas línguas de origem eslava onde o termo utilizado é Czar. De toda forma, estes dois últimos são oriundos do título romano César e seguem a linha latina de determinação.

O Imperador é o soberano de uma nação e dirige um império. Quando se trata de uma mulher, o termo utilizado é Imperatriz e, nesta situação, seu marido é reconhecido apenas como consorte. Há uma diferença entre Imperador e Rei, o primeiro é reconhecido, geralmente, como superior em questão de honra ao Rei.

O Imperador chega a tal posição por vias distintas. O caminho normal seria a transferência hereditária de poder, passando a liderança de pai para filho. Mas há também a via da força, na qual o posto é adquirido através de um golpe, da derrubada do líder em exercício e a seguinte ocupação de seu cargo. Há um caso específico ainda na história que aconteceu no Sacro Império Romano Germânico onde o posto de Imperador era conferido através de eleição feita por outros soberanos.

Há várias experiências imperiais ao longo da história. O início delas remete ao grandioso Império Romano, exemplo que foi seguido, com as devidas adaptações, na França, no Brasil, no Japão e na China. No caso brasileiro, o território se tornou um império logo após a independência em relação a Portugal. De 1822 a 1889, o Brasil foi governado por dois Imperadores: Dom Pedro I e Dom Pedro II. Seguindo os ditames tradicionais de um império, o poder passou de pai para o filho. O primeiro deles foi importante no processo de emancipação do Brasil, porém não desenvolveu um governo que agradece a muitos, culminando em sua renúncia. A vacância na liderança do império transferiu o poder para o filho, que, na ocasião, ainda era muito jovem. Coube às chamadas Regências gerenciar o Brasil até Dom Pedro II alcançar idade suficiente para administrar o Império. Seu governo foi muito mais bem sucedido que o do pai, permanecendo no poder por quase 50 anos.

Atualmente, o único país no mundo que possui como chefe de Estado um Imperador é o Japão.