Animador Cultural

Por Ana Lucia Santana
A animação cultural está diretamente relacionada ao trabalho com a comunidade. Ela visa lhe oferecer, enquanto instrumento educacional e recreativo, inúmeras vias de admissão ao universo da cultura e do conhecimento, seja através de manifestações expressivas naturais ou estruturadas. Este campo profissional também tem como meta aprimorar o caráter existencial de cada ser, por meio da evolução individual, a qual provoca ecos no grupo social.

Este instrumental de natureza pedagógica está apto a intervir nas mais distintas circunstâncias e esferas sociais, e tem como fim realizar as necessárias mudanças no âmbito da realidade. Para tanto ele atua como um árbitro cultural, com o objetivo de gerar uma sociedade melhor e mais solidária, na qual todos os direitos individuais são amplamente respeitados. Este caminho passa necessariamente pela aceitação das diferenças e pelo despertar do potencial criativo humano, que instaura o prazer e também a postura crítica.

Assim sendo, o animador, agente ou promotor cultural exerce o papel de motivador dos grupos sociais, interagindo com seus integrantes no sentido de conduzi-los à prática cultural; ele incita a comunidade a resgatar e a disseminar seus valores e a utilizar os próprios meios na construção de sua cultura, oferecendo, em contrapartida, os dados originários do circuito externo e as produções públicas ou particulares.

Este profissional implanta igualmente projetos de auto-gestão na esfera social, sustentando assim as manifestações expressivas que brotam naturalmente das comunidades, abrangendo também suas experiências históricas, culturais e acadêmicas. Para oferecer possibilidades mais amplas de conhecimento aos grupos abordados, eles devem apresentar um vasto domínio das leis e das normas referentes aos bens culturais.

O animador cultural tem determinadas qualidades que o distinguem dos demais profissionais, entre elas: ser expansivo, inventivo, dinâmico, flexível, interagir facilmente com pessoas de todas as faixas etárias e sociais, ser autêntico e natural no seu agir, e diplomático nas situações de confronto.

Ele deve também dominar a expressão corporal, não só na teoria, mas igualmente na prática, afeiçoando-se aos exercícios físicos. Da mesma forma é imprescindível que ele detenha um amplo equilíbrio de suas emoções, já que irá trabalhar com os sentimentos alheios. Além de tudo, é muito importante que o animador cultural seja alguém com profundo desejo de servir ao outro, um alto senso de responsabilidade e preparo técnico.

O recreador ou animador cultural ganhou, nos últimos tempos, mais núcleos de aprimoramento profissional, graças ao desenvolvimento de diversas empresas no ramo da prestação de serviços, principalmente hotéis que se especializaram no turismo de lazer. Além deste setor, porém, várias outras companhias empresariais se conscientizaram da carência de seus trabalhadores na esfera do lazer e da recreação, e assim optaram por contratar profissionais deste campo.

Quanto à formação profissional, o ideal é que o animador cultural tenha completado pelo menos o ensino médio e apresente em seu currículo algum curso de especialização nesta área. Se ele for graduado em Artes Cênicas, Educação Física, Comunicação, Administração ou Turismo, terá ainda mais chances no crescente mercado de trabalho.

Fontes:
http://www.marketing-e-cultura.com.br/website/teoria/teo001-b.php?cod_artigo=9
http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/viewArticle/7519/5842
http://turismologosavante.blogspot.com/2009/06/algumas-profissoes-do-turismo-e.html