Engenheiro de Produção

Por Paula Perin dos Santos
A Engenharia de Produção era vista com preconceito quando foi criada no Brasil, na década de 1970, por ter uma “visão humanística e poucos cálculos”. Quando passou a ser “compreendida”, em 1990, passou a ser mais procurada. Diferente das outras engenharias, este curso tem um foco específico na indústria: ela integra todos os sistemas da empresa.

O engenheiro de produção vê o processo produtivo como um todo, somando-se a isso: gerenciamento de pessoas e materiais, equipamentos, informações e energia. “Sua missão é agregar tudo isso à produção de bens e serviços de maneira econômica, respeitando os valores e a cultura da empresa”, afirma Daher no Guia Megazine de Profissões.

O curso dura, em média, cinco anos. A grade curricular envolve cálculo, matemática física e computação, inicialmente. Depois é que se vê estatística, organização do trabalho, econômica e gerência de qualidade. Para se destacar nesta área, é fundamental que o profissional seja comunicativo, tenha raciocínio rápido, goste de lidar com pessoas e tenha capacidade de tomar decisões com base no raciocínio lógico. É necessário, também, ter formação interdisciplinar, que inclui sociologia, psicologia e arquitetura.

É essa visão interdisciplinar que possibilita à empresa atrair o consumidor, fator determinante na organização dos sistemas de produção. Além dessa formação, o engenheiro de produção deve também ter conhecimento de biologia, já que a preocupação ecológica vem crescendo nos últimos anos.

Um engenheiro de produção pode atuar, segundo Daher em “indústrias, comércios, escolas, instituições financeiras, órgãos governamentais e consultorias, gerenciando e controlando os processos produtivos, avaliando desempenho e melhorando seu funcionamento”.

MERCADO DE TRABALHO

Segundo Daher, o mercado neste ramo encontra-se estável, sendo que o maior número de vagas concentra-se na área do petróleo, telecomunicações, varejo e serviços. Está em expansão a área de consultoria. O salário inicial de um engenheiro de produção gira em torno de R$2.500, mas com alguma experiência, esta área supera todas as outras engenharias, menos a de petróleo.

Para quem trabalha na área, como Paulo Cunha, professor da PUC - Rio e engenheiro de produção da Casa & Vídeo, numa entrevista publicada no Guia Megazine de Profissões, o maior desafio desta profissão é “mostrar todos os dias que você é bom naquilo que faz, estar sempre se atualizando, por meio de cursos de especialização e mestrado, ser capaz de lidar com inúmeros problemas e projetos, ao mesmo tempo, administrando o seu tempo sem perder o foco e lidando com pessoas”, diz.

Assista ao vídeo abaixo sobre o curso de Engenharia de Produção, produzido pela TV Unesp:

Fontes
DAHER, Valquíria. Guia Megazine de Profissões. Rio de Janeiro, Ediouro, O Globo, 2007, p. 64-5.