Historiador

Por Thais Pacievitch
A história é a ciência encarregada do passado da humanidade utilizando como método aquele próprio das ciências sociais. A ação deste profissional não só se limita a situar os fatos no tempo e no espaço, mas, hoje, ele atua em diversas áreas como a análise da sociedade sob a perspectiva cultural, econômica, étnica, política; as relações interpessoais; os conflitos regionais e religiosos, etc.

A pessoa que se ocupa desta disciplina é o historiador. Portanto, o historiador é aquele profissional encarregado da reunião de dados e documentos, interpreta, reconstrói, e analisa o passado de grupos, indivíduos, costumes, idéias, instituições, cultura, artes, regiões, movimentos sociais de todos os aspectos da história, situando, desta maneira, os fatos em seu contexto.

Para ser historiador (nos níveis fundamental e médio) é necessário possuir o bacharelado e licenciatura em história. Já no ensino superior, é preciso, na maioria das vezes, ser doutor ou mestre nesta área, aqui a licenciatura não é necessária.

As características desejáveis para se tornar historiador são: ter um espírito curioso e investigativo, boa memória, senso crítico, facilidade para a escrita e expressão oral, grande interesse pela leitura, raciocínio lógico, capacidade de reflexão e análise, interesse pelas questões sociais e capacidade organizacional.

As principais áreas de atuação do historiador são o ensino (fundamental, médio e superior); investigação e análise de fatos históricos e publicação de livros e teses e consultoria (palestras, seminários, elaboração de eventos para empresas, museus, fundações culturais, arquivos, bibliotecas, lojas de antiguidades, órgãos internacionais, empresas de gestão de artes, emissoras de televisão, etc.).

Dentre as principais atividades do historiador, podemos citar a assessoria a empresas de turismo (roteiros de viagens), escritores, autores e roteiristas de produções culturais de toda espécie; elaboração de projetos e angariação de recursos; organização de exposições históricas, seminários, debates; eventos em museus; análise e interpretação de documentos como cartas, fotos, jornais, etc., elaboração de revistas e organização de informações e acervos.