Inteligências Múltiplas

“A Teoria das Inteligências Múltiplas se apóia nas novas descobertas neurológicas procedidas em Harvard e outras universidades dos Estados Unidos, mudando as linhas de conhecimento neurológico sobre a mente humana e colocando em questão processos anteriormente descritos para explicar sistemas neurais que envolvem a memória, a aprendizagem, a consciência, as emoções e as Inteligências em geral.” (Celso Antunes – Como desenvolver conteúdos explorando as inteligências múltiplas - 2001)

Howard Gardner, nascido em Scranton, Pensilvânia, é um psicólogo cognitivo e educacional. Ele desenvolveu a Teoria das Inteligências Múltiplas na década de 1980, e a partir disso vários educadores e escolas no mundo inteiro se tornaram adeptos a essa teoria como prática pedagógica.

Segundo Gardner, abrigamos em nossa mente oito inteligências, elas são: Linguística ou verbal, lógica-matemática, espacial, sonora ou musical, cinestésico-corporal, naturalista, intra e interpessoal.

Essas teorias servem como auxilio na área educacional, pois ela explica vários distúrbios ligados à atenção, criatividade e memorização, que estão ligados diretamente a aprendizagem e que ocorrem cada vez mais nas instituições de ensino em todo mundo.

Essas mudanças, esses novos paradigmas, entram em cena como uma nova visão da mente humana, reformando a escola convencional (tradicional).

A Teoria das Inteligências Múltiplas não são um método pedagógico, elas agem como uma nova tendência, mesclando-se a todos os métodos educacionais existentes. Ela os ampara e soma o dia-a-dia escolar.

O educador a fim de desenvolver essas Inteligências em sala de aula, cria novas atividades, tornando as aulas mais dinâmicas e enriquecedoras.

Para que essa Teoria ofereça certeza, é necessário que os professores que for utilizá-las em sala de aula, estejam treinados, para que ela agregue e se transforme em um sistema educacional de efeito, como ato de educar.

Referências Bibliográficas:
Antunes, Celso. Como desenvolver conteúdos explorando as inteligências múltiplas – Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

Arquivado em: Pedagogia, Psicologia