Arseniatos

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

São considerados arseniatos os compostos derivados do elemento químico arsênio (As), um semi-metal sólido nas condições ambientes, localizado no 4° Período da Família 5A (15) da Tabela Periódica, com número atômico 33 e massa atômica 72,922. Esse elemento, em sua forma pura, é utilizado para beneficiamento do espelho, vidro e alguns diodos. Um arseniato clássico contém o íon AsO43-, dando origem a um sal arsênico, onde o elemento As apresenta estado de oxidação +5 (pentavalente).

Os sais arseniatos e os sais fosfatos assemelham-se em vários aspectos, incluindo o estado de oxidação de seu ânion (3-), pois os elementos As e fósforo (P) aparecem na mesma Família da Tabela Periódica, dando origem aos ácidos fosfórico (H3PO4) e arsênico (H3AsO4), quando em pH baixo. Em soluções alcalinas seus ânions existem na forma livre. “Arseniatos ocorrem naturalmente em uma variedade de minerais. Esse minerais podem conter hidratos ou anidro arseniatos”. Mas apesar das compatibilidades, ao contrário dos fosfatos, arseniatos não são perdidos de um mineral a partir do intemperismo. Exemplos de arseniatos contendo minerais incluem a adamita e a alarsite.

Arseniatos são muito difundidos na Química de Complexação. A reação química entre soluções contendo arseniato de sódio (Na3AsO4) com sais de metais pesados dão origem a formação de arseniatos complexos, cuja composição é fundamentalmente influenciada pelo pH do meio. Uma vez que a adsorção de As2O5 por hidróxidos metálicos é comum, métodos analíticos reacionais não são eficazes para determinação de sua composição, sendo necessárias outras alternativas, como espectrofotométricas e instrumentais.

“O arseniato pode substituir o fosfato inorgânico no passo da glicólise que produz 1,3-bisfosfoglicerato, produzindo antes 1-arseno-3-fosfoglicerato. Esta molécula é instável e é rapidamente hidrolisada, formando o próximo intermédio do processo, 3-fosfoglicerato. Assim, a glicólise ocorre, mas a molécula de ATP que seria gerada a partir de 1,3-bisfosfoglicerato perde-se - o arseniato é uma desacoplador da glicólise, o que explica a sua toxicidade” ¹.

Não se deve confundir o elemento químico arsênio ou seus derivados em geral com um de seus compostos em particular, o trióxido de arsênio, ou popularmente arsênico, um dos mais poderosos venenos que conhecemos. Sua intoxicação é imediata, o organismo tenta expulsá-lo por vômito e diarréia, mas sua absorção metabólica geralmente é mais rápida, e a vítima pode chegar a óbito por falência cardíaca. Em relação às dosagens letais, estas variam muito de um indivíduo a outro, uma vez que o organismo pode adquirir tolerância ao veneno, mas sempre quando em dosagens baixas.

Referências:
¹ http://pt.wikipedia.org/wiki/Arseniato
http://www.atsdr.cdc.gov/csem/csem.asp?csem=1&po=0

Arquivado em: Química