Substâncias e Soluções Padrões

Por André Luis Silva da Silva
Substâncias padrões de trabalho são aquelas que apresentam um grau de pureza em torno de 100% com erro entre 0,05; são conhecidas pela sigla P.A. que significa: para análise.

Substâncias padrão primário

São consideradas substâncias padrão primário somente aquelas que satisfazem os seguintes requisitos:

  • As substâncias devem ser de fácil obtenção, purificação, dessecação e conservação.
  • As impurezas devem ser facilmente identificáveis em ensaios qualitativos conhecidos.
  • O teor de impurezas não deve ser superior a 0,01 - 0,02%.
  • A substância não deve ser higroscópica ou eflorescente.
  • A substância deve possuir elevado Kps, de modo a formar uma solução perfeita.
  • A substância deve possuir elevado peso molecular.
  • A substância deve ser sólida.

O número de substâncias padrão primário existente é relativamente pequeno. As principais são: Na2CO3, Na2B4O7, NaCl, AgNO3, KSCN, Na2C2O4, K2Cr2O7, ácido benzóico, ácido oxálico.

Substâncias padrão secundário

São consideradas padrão secundário aquelas cujo conteúdo de substância ativa foi estabelecido por comparação com uma substância padrão primário. Podem ser usadas para padronização.

Soluções padrões

São consideradas soluções padrão aquelas que possuem concentração exatamente conhecido. É desejável que a concentração das soluções de trabalho possa ser determinada com erro inferior a 0,1%.

A preparação de uma solução requer, direta ou indiretamente, o uso de um reagente quimicamente puro e com composição perfeitamente definida. Quando o reagente com que se tem de preparar a solução é uma substância padrão primário, recorre-se à técnica direta, pesando uma fração definida ou medindo seu volume para dissolução, normalmente em solvente universal. A solução assim obtida é uma solução padrão primário.

Quando o reagente não é disponível em sua forma mais pura, como no caso da maioria dos hidróxidos alcalinos, alguns ácidos inorgânicos e várias substâncias deliquescentes; recorre-se à técnica indireta, que consiste em preparar inicialmente uma solução com concentração próxima à desejada e após, padronizá-la, isto é, determinar sua concentração exata em relação a um padrão primário adequado. A solução assim obtida será então denominada padrão secundário.

As soluções padrões devem ser conservadas de maneira a manterem-se inalteradas suas concentrações, tanto quanto possível. Alas não devem ser conservadas nos balões volumétricos usados na sua preparação. Os frascos utilizados para conservar soluções padrões devem ter sidos perfeitamente limpos e não devem ser expostos à luz direta. Em nenhum caso deve fazer-se retornar ao frasco original sobras de soluções padrões utilizadas nas práticas laboratoriais.

Referências:
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.