Proposta de Redação do Enem 2010 comentada

Muito pertinente a Proposta de Redação do Enem 2010. São fundamentais ações como a da Universidade Estadual da Paraíba, que criou o Comitê de Ajuda Humanitária, Social e da Saúde, para treinar voluntários dispostos a ajudar pessoas em situações de emergência. Ou a iniciativa dos examinadores do Enem, que procuram, através desta proposta de redação, estimular os candidatos a refletirem sobre questões como a solidariedade, a ajuda ao próximo e a doação de si mesmo a projetos de socorro e amparo aos necessitados.enem 2010

Em tempos nos quais não faltam incentivos ao consumismo e ao individualismo, orientar as novas gerações no sentido de dedicarem parte do seu tempo aos que se encontram em situação de risco, é o mesmo que iluminar os caminhos que permitirão a construção de um mundo melhor.

É importante perceber que os jovens encontram seu próprio estilo de ajuda humanitária, como fica claro no artigo “TERREMOTO NO HAITI - Redes Sociais da Internet foram o principal meio de comunicação”, publicado em 30 de abril de 2010 no site http://www.gazetadopovo.com.br.

Esta reportagem tem como foco a importância das redes sociais em eventos catastróficos como o do abalo sísmico que atingiu o Haiti e quase o destruiu por completo. Apesar da instabilidade da rede em contextos como este, seus moradores e os estrangeiros que aí se encontravam utilizaram esta ferramenta para acalmar seus familiares e também para solicitar ajuda humanitária.

Enquanto isso, no Brasil, membros do twitter disseminavam o trágico acontecimento e se mobilizavam para contribuir com a ONG Viva Rio, que recolhia donativos para enviar às vítimas do terremoto. Apesar do individualismo gritante da nossa sociedade, as catástrofes naturais despertam a chama da generosidade no interior da maior parte das pessoas.

Mas essa proposta de redação vai além do estímulo à ajuda humanitária; os textos e o panfleto apresentados na prova servem apenas de ponte para que cada candidato crie sua própria vivência ou proposta de ação social. Ele deve imaginar não só eventos catastróficos, mas qualquer contexto que exija amparo e socorro, tais como a miséria, as moradias construídas aleatoriamente em lugares de risco, as comunidades ameaçadas por traficantes e grupos de extermínio, entre tantos outros, e conceber medidas que possam contribuir com uma melhor qualidade de vida para essas pessoas.

É sem dúvida um desafio interessante e necessário, pois esses estudantes irão um dia governar o Planeta, conduzir os rumos da política, da economia, da vida social, da cultura, enfim, de todas as esferas que sustentam a civilização. Se eles aprenderem desde já a desenvolver seu lado humanitário, a esperança de ver o despertar de um novo mundo poderá ser em breve concretizada.

Arquivado em: Redação