Texto Dissertativo

Por Ana Lucia Santana
A dissertação é um texto de natureza teórica que visa expor minuciosamente um tema, desdobrando-o em todos os seus aspectos. Através desta estruturação lógica e ordenada das concepções iniciais, o autor propõe reflexões, incrementa uma forma de pensar, defende um ponto de vista, discorre sobre uma ideia, cria polêmicas, propõe debates, insere raciocínios dos quais extrai consequências, introduz questionamentos que abalam as certezas absolutas.

Sua principal qualidade é o corpo teórico que desperta profundas meditações. Dissertar passa pelo encadeamento de causas e efeitos; seu criador pode e deve oferecer exemplificações, buscar conclusões, mas não impor suas ideias, nem mesmo se esforçar para convencer, a qualquer custo, seus interlocutores. Acima de tudo ele precisa ter a consciência de que vai tão somente propagar um novo saber.

As obras dissertativas enquadram-se na categoria dos escritos expositivos, ao lado dos textos científicos, dos pareceres, das produções didáticas, dos verbetes que compõem as enciclopédias. Elas apresentam características essencialmente informativas. Normalmente os trabalhos desta natureza são elaborados no fim das pós-graduações ou dos mestrados.

O objetivo é testar e preparar os alunos para investigações científicas mais profundas. Neste contexto os textos devem conter cerca de 100 páginas, nas quais eles vão desenvolver os conhecimentos adquiridos. Nos mestrados a dissertação é o trabalho de conclusão das pesquisas após a frequência dos cursos e créditos necessários, sob a supervisão de um orientador da academia. Ela é defendida perante uma banca composta por três ou mais doutores.

Nestas produções do mestrado o estudante deve expressar igualmente o quanto está ciente do método empregado em suas investigações acadêmicas e mencionar qual a metodologia usada em seu trabalho. É algo semelhante à produção de uma tese, a qual é desenvolvida durante o estágio do doutorado.

O texto dissertativo pode ser expositivo ou argumentativo. Em nenhuma das duas modalidades há lugar para a opinião. Na expositiva o estudante expõe um conceito, uma teoria e o seu ponto de vista sobre o assunto, além de expressar a visão alheia. Normalmente ele expande a concepção nuclear, revelando sua essência, os precedentes, razões imediatas ou distantes, efeitos ou exemplificações.

Na monografia argumentativa o criador deseja mais que tudo comprovar a exatidão ou a falsidade dos conceitos discutidos no texto; o autor quer persuadir o interlocutor, e por esta razão ele apela ao seu intelecto por meio de raciocínios, indícios claros e testemunhos.

As produções mais objetivas conferem um tom nada pessoal à obra, e são tecidas por argumentos racionais que vão da esfera geral à singular. As subjetivas são direcionadas não apenas à mente do outro, mas também as suas emoções; nelas estão presentes elementos como as atitudes sarcásticas e zombeteiras. Não podem faltar nos textos dissertativos a introdução, o desenvolvimento e a conclusão.

Fontes:
http://www.algosobre.com.br/redacao/texto-dissertativo-argumentativo.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Texto_dissertativo