Doutores da Alegria

Por Ana Lucia Santana
O ‘Doutores da Alegria’ é um grupo mobilizado, a partir da sociedade civil que integra, para levar humor, arte profissionalizada, acervo de conhecimentos e muita alegria para crianças internadas em hospitais, bem como aos seus familiares e às equipes de saúde. Esta organização conta também com um centro de estudos e uma eficaz gestão e obtenção de recursos.

Esta ONG – Organização não Governamental – não visa a captação de lucros, mas sim levar conforto e pílulas de felicidade ao público infantil enfermo. Seus integrantes têm como meta incentivar vivências divertidas para que esta camada da sociedade possa, mesmo a partir do desequilíbrio orgânico, instaurar em suas vidas uma interação salutar com as outras pessoas.

Esta instituição nasceu da experiência de uma organização similar, a Clown Care Unit™, de Nova Iorque. Este grupo foi fundado por um palhaço dos Estados Unidos, Michael Christensen, em 1986, quando, em um evento num dos hospitais nova-iorquinos, ele decidiu incluir em suas brincadeiras crianças que não podiam se deslocar até o espaço escolhido para a festa. Neste momento ele instaurou, em um local dominado por imagens de doenças, ícones de alegria e festividade. Desta forma surgiu a Clown.

O brasileiro Wellington Nogueira entrou para esta equipe em 1988. Satisfeito com esta prática, decidiu implantá-la no Brasil. Depois de muito esmero, ele conseguiu dar início a este trabalho no Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, em São Paulo, atualmente conhecido como Hospital da Criança, no ano de 1991.

A partir de então este intérprete, palhaço e Coordenador Geral do Doutores da Alegria, junto com os demais membros desta Organização, já levaram doses maciças de alegria a 550 mil crianças e adolescentes internados, a 600 mil famílias e a mais de 13 mil integrantes do campo da saúde. Eles empreendem aproximadamente 75 mil visitas anuais em instituições de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Belo Horizonte.

O público-alvo é constituído por pacientes com doenças graves, muitas delas consideradas incuráveis. Estes enfermos encontram-se, quase sempre, tristes e deprimidos, com uma visão negativa da vida e de seu corpo, sobre o qual acreditam não ter mais nenhum domínio. São pessoas profundamente traumatizadas e, muitas vezes, fechadas em si mesmas.

Esta instituição é auxiliada financeiramente por empresas e doadores físicos. O trabalho realizado por seus integrantes é de tal importância, que por duas vezes ele foi listado pela Divisão Habitat da ONU entre os melhores exercícios de solidariedade de todo o Planeta.

Em 2004 os Doutores da Alegria deram início a um projeto de educação e inclusão social que tem o objetivo de habilitar jovens entre 17 e 23 anos na prática das artes interpretativas, particularmente no estilo do clown. Os alunos frequentam diariamente um curso de dois anos. Ao concluí-lo, eles serão mobilizados na realização de uma representação teatral que será apresentada nos locais de origem destes aprendizes.

Em 2007 eles implementaram o ‘Palhaços em Rede’, que tem como meta incluir os grupos de palhaços não profissionalizados e voluntários, que nasceram em virtude da influência exercida pelos Doutores da Alegria. Estas organizações são escolhidas através de edital público e recebem desta ONG todo apoio e as diretrizes necessárias.

Acesse: http://www.doutoresdaalegria.org.br/

Fontes:
http://www.doutoresdaalegria.org.br/internas.asp?secao=osdoutores_quem
http://pt.wikipedia.org/wiki/Doutores_da_Alegria