Exercícios - Fascismo

Lista de questões de vestibulares sobre o Fascismo.
Ler artigo Fascismo.

Exercício 1: (UFMG 2008)

Leia este trecho:

“Camisas negras de Milão, camaradas operários! Há cinco anos as colunas de um templo que parecia desafiar os séculos desabaram. O que havia debaixo destas ruínas? O fim de um período da história contemporânea, o fim da economia liberal e capitalista [...] Diante deste declínio constatado e irrevogável, duas soluções aparecem: a primeira seria estatizar toda a economia da Nação. Afastamo-la, pois não queremos multiplicar por dez o número dos funcionários do Estado. Outra impõe-se pela lógica: é o corporativismo englobando os elementos produtores da Nação e, quando digo produtores, não me refiro somente aos industriais mas também aos operários. O fascismo estabeleceu a igualdade de todos diante do trabalho. A diferença existe somente na escala das diversas responsabilidades. [...]
O Estado deve resolver o problema da repartição de maneira que não mais seja visto o fato paradoxal e cruel da miséria no meio da opulência.”

(Discurso de Mussolini dirigido aos operários milaneses, em 7 de outubro de 1934. In: MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Textos e documentos para o estudo da história contemporânea (1789-1963). São Paulo: Hucitec: Edusp, 1977. p. 175-177.)

A partir dessa leitura e considerando-se outros conhecimentos sobre o assunto, é INCORRETO afirmar que o fascismo italiano:


Exercício 2: (UFSC 2014)

Os fascismos

É a terceira linha de força do período compreendido entre as duas guerras, com a crise da democracia clássica e a irradiação da experiência soviética.
O termo que designa essas diversas forças tem origem na experiência política italiana: tomaram o nome de fascio associações compostas essencialmente de antigos combatentes, formadas logo depois da guerra e que senhorearam o poder em 1922.
[...] A palavra fascio, portanto, tem um destino comparável ao da palavra soviete: na origem designa um agrupamento e acaba designando um regime e sua ideologia. Passa-se da estrutura à política.
O uso do termo estende-se, a seguir, a outras experiências feitas em outros países, e qualifica todos os regimes, todos os movimentos e todas as organizações que apresentam algum parentesco com o regime de Mussolini.

RÉMOND, René. O século XX: de 1914 aos dias atuais. São Paulo: Cultrix, 1976. p. 91.

Sobre os fascismos e o contexto do período entre as duas grandes guerras mundiais, é CORRETO afirmar que:


Exercício 3: (UFRGS 2017)

Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, referentes ao fascismo na Europa, no período entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.

( ) O partido fascista italiano, liderado por Benito Mussolini, chegou ao poder em outubro de 1922, com o apoio de organizações de direita e centro-direita.
( ) Algumas das características ideológicas principais do fascismo são o nacionalismo exacerbado, o autoritarismo, a devoção ao líder e o desprezo pela democracia liberal.
( ) O fascismo, em Portugal, Espanha e Polônia, constituiu-se como um movimento de oposição à influência da Igreja Católica na vida política e social dessas nações.
( ) A França foi um dos poucos países europeus em que o fascismo não teve qualquer tipo de influência política, mesmo após a invasão alemã, em 1940.

A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:


Exercício 4: (FUVEST 2018)

O futurismo de Marinetti e o fascismo de Benito Mussolini têm em comum:


Exercício 5: (Acafe 2017/2)

Assinale a definição de “fascismo” que está coerente com a definição dada pelo texto 1.


Exercício 6: (Acafe 2016/2)

Acerca das principais proposições e afirmações dos movimentos fascistas no passado, e que tem retornado recentemente, analise as afirmações a seguir.

I - Uma das principais proposições fascistas era o uso indiscriminado da violência contra opositores, fossem eles, socialistas, liberais, socialdemocratas ou qualquer movimento organizado de oposição.
II - Os fascistas em geral provinham de setores tradicionais das elites europeias. Muitos tinham origem aristocrata e defendiam propostas monarquistas.
III - A afirmação de que a democracia era fraca e que não evitava a corrupção foi uma arma retórica muito usada pelos fascistas. Após subirem ao poder, destruíam a oposição e governavam de forma totalitária, controlando imprensa, instituições, forças armadas e polícia.
IV - A radicalização política atual em muitos países, inclusive no Brasil, faz com que muitas práticas de caráter fascista voltem a aparecer na forma de intolerância, incitação da violência e, em muitos casos, de racismo.
V - Uma das alas mais importantes do Partido Republicano dos EUA, o chamado Tea party, assumiu oficialmente discursos e símbolos de origem fascista.

Todas as afirmações corretas estão em:


Exercício 7: (Unespar 2017)

“A palavra fascismo tem origem no fascio italiano, literalmente, um feixe ou maço [que centraliza elementos dispersos em prol de uma unidade diretiva]. Oficialmente, o fascismo nasceu em Milão, em um domingo, 23 de março de 1919. Em 5 de abril de 1919, pouco depois da reunião inaugural do fascismo [...] um grupo de amigos de Mussolini [...] invadiram o escritório do jornal socialista Avanti, em Milão [...] Eles destruíram todo o equipamento. Quatro pessoas foram mortas, inclusive um soldado, e trinta e nove ficaram feridas. O fascismo italiano, desse modo, irrompeu na história por meio de um ato de violência contra não apenas o socialismo como também contra a legalidade burguesa, em nome de um pretenso bem nacional maior [...] Quando os partidos fascistas chegaram ao poder, entretanto, eles nada fizeram para cumprir essas ameaças anticapitalistas [...] Suas denúncias contra a burguesia, contudo, referiam-se a ser débil e individualista demais para fortalecer a nação, e não a roubar a classe trabalhadora do valor agregado por seu trabalho [...] Para os fascistas, o capitalismo falho do período entreguerras não necessitava ser reordenado em seus fundamentos. Suas mazelas poderiam ser curadas pela simples aplicação de vontade política para a criação de pleno emprego e produtividade. Uma vez no poder, os regimes fascistas confiscaram propriedade apenas de seus opositores políticos, dos estrangeiros e dos judeus. Nenhum deles alterou a hierarquia social [...] É difícil situar o fascismo no tão familiar mapa político de direita-esquerda”.
(PAXTON, Robert. A anatomia do fascismo. São Paulo: Paz e Terra, 2007). Adaptado.

A partir do texto acima, o fascismo: