50 mil pessoas de todo país realizam protesto em Brasília contra racismo

19/11/2015 - 17h20 - Por Karoline Figueiredo





Ontem, 18/11, em Brasília, mais de 50 mil mulheres de vários lugares do país se reuniram para marchar contra o racismo, desigualdade social e desigualdade de gênero. O encontro que estava previsto para 20 mil pessoas, superou as expectativas com mais do dobro. O grupo que saiu às 10hs do Ginásio Nilson Nelson em direção à Praça dos Três Poderes foi recebido pela presidenta Dilma Rousseff no final da marcha.

A "Marcha das Mulheres Negras" iniciou em 2011 no Encontro Ibero-Americano do ano dos afrodescendentes que aconteceu em Salvador-Bahia. O evento foi realizado por várias entidades ligadas ao movimento negro. O objetivo desses encontros é unir o máximo de organizações e mulheres negras para manifestarem, homenagearem e lutarem por direitos e igualdades no Brasil.

A técnica em assuntos educacionais para as relações raciais da SECADI (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão), Bárbara da Silva Rosa, falou sobre a importância da marcha, "Em grande parte, a existência de uma coordenação como a nossa vem de pessoas que estão construindo aqui, vem de mulheres negras que têm pautado a sua vida, a sua atuação profissional, sua atuação política para o combate ao racismo, combate à violência contra mulher e na importância do bem viver, tema da marcha deste ano".

A Marcha das Mulheres Negras luta contra:

*O racismo, machismo e desigualdade social e econômica;

*Construção negativa da imagem da pessoa negra, especialmente da mulher negra tanto estética (cabelo, corpo, etc) quanto o papel social desenvolvido no país;

*Menor salário e dificuldade para ingressar no mercado de trabalho;

*Trabalhos informais por conta de trabalhos negados;

*Submissão, inferioridade e desrespeito por causa da cor da pele;

*O desrespeito aos direitos humanos que não deveria haver distinção, entre outros.

Fazem parte do Comitê Impulsor da Marcha das Mulheres Negras 2015: Agentes de Pastoral Negros (APNs); Articulação Nacional de Mulheres Negras (ANMB); Coordenação Nacional de Articulações das Comunidades Negras Ruarais Quilombolas (CONAQ); Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN); Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (FENATRAD); Fórum Nacional de Mulheres Negras; Movimento Negro Unificado (MNU) e União de Negros e Negras pela Igualdade (UNEGRO).